Carvalho

Por Ana Lucia Santana
O carvalho é uma árvore milenar. Esta expressão se refere a diversas centenas de espécies do gênero denominado Quercus, pertencentes à família Fagaceae, e engloba ainda outras classes análogas, conhecidas como Lithocarpus. Esta árvore é procedente do hemisfério norte; aí são encontrados tanto espécimes ancestrais e já enfraquecidos, quanto os de natureza perpétua.

Este gênero está localizado não só nas elevadas latitudes, mas também na área tropical asiática e na América. Normalmente as espécies mais decadentes se agrupam no norte, enquanto as que detêm folhagem perene estão situadas ao sul. O carvalho produz frutos que são denominados bolotas ou landes.

Angel Oak, um carvalho de aproximadamente 1400 anos localizado na Carolina do Sul, EUA. Foto: Lynn Whitt / Shutterstock.com

Angel Oak, um carvalho de aproximadamente 1400 anos localizado na Carolina do Sul, EUA. Foto: Lynn Whitt / Shutterstock.com

Algumas subdivisões mais conhecidas são Carvalho-vermelho; Carvalho-vermelho-americano; Carvalho-japonês; Carvalho-negral; Azinheira; Carvalho-português ou lusitano, entre outros. Nem sempre é fácil catalogar as variadas classes integradas por esta árvore, pois elas constituem constantemente entre si os famosos híbridos.

Geralmente o carvalho se transforma em ferramenta para botânicos e geólogos em suas medições dos infortúnios provocados pela natureza no meio ambiente. Ou seja, nesta árvore eles podem encontrar os sinais das tempestades que se abateram sobre a paisagem na qual ela está localizada, pois este espécime é o que mais padece com os efeitos das chuvas fortes.

Por incrível que pareça, quanto mais ele se sujeita às intempéries, mais fortalecido ele sai delas, pois suas raízes se arraigam ao solo a cada tempestade, seu tronco se revigora, e a possibilidade dele ser extraído do solo pelos temporais diminui drasticamente, até se tornar nula. O carvalho se embebe de todas as consequências dos temporais e, assim, adquirem um aspecto desproporcional, exatamente como um ser que tivesse realizado um grande esforço ao longo de sua constituição. Chega mesmo a parecer entristecido.

Por esta razão o carvalho é constante fonte de referência para os espiritualistas, pois com seu papel na Natureza acaba se transformando em metáfora de resistência, resignação, submissão diante dos desígnios divinos, uma vez que, a cada assédio das forças naturais ele não se revolta, nem desanima, mas procura triunfar sobre os obstáculos que o perseguem insistentemente. E assim conserva-se sólido e concreto nas florestas e bosques nos quais habita.

Entre os celtas ele também assume uma performance essencial, atuando como divindade incessantemente cultuada pelos druidas, que constituíam a classe sacerdotal desta raça ariana que se disseminou pela Europa na Antiguidade. Em um cenário repleto de florestas, coberto por uma vegetação densa que só aqui e ali permitia o aparecimento de algumas lacunas, denominadas clareiras, era de se esperar que as árvores detivessem um poder especial para este e outros povos.

O culto ao carvalho é encontrado tanto no sul da Europa quanto na área central do continente, nos bosques povoados por este espécime. Em comunhão com a Natureza, os druidas realizavam aí seus rituais, em templos construídos ao ar livre. Nenhuma cerimônia religiosa tinha lugar sem o uso das folhas do carvalho, tal a sua importância para os celtas. E até hoje esta árvore preserva um significado especial para aqueles que cultivam sua espiritualidade.

Fontes
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carvalho
http://www.netfrases.com/como-o-carvalho.html
http://suserania.wordpress.com/2008/05/02/quem-eram-os-celtas-parte-3/