Taenia saginata

Por Franciele Charro
Fase larval: Cysticercus bovis

Local de predileção: Intestino delgado (hospedeiro definitivo= homem); músculo, fígado, rim (hospedeiro intermediário=bovinos).

Descrição macroscópica: o verme adulto é encontrado apenas em seres humanos e varia de 5-15m de comprimento. O escólex, excepcional entre as espécies de Taenia, não possui rostelo nem ganchos. No bovino, o cisticerco maduro, C. bovis, é branco acinzentado, oval, tem cerca de 0,5-1,0-0,5cm de comprimento e é preenchido com fluido no qual o escólex em geral é claramente visível. Como no verme adulto, não possui rostelo e nem ganchos.

Descrição microscópica: o útero do proglotes gravido tem 15-30 ramificações laterais em cada lado da haste central, ao contrario de Taenia solium com apenas 7-12 ramificações laterais. Os proglotes grávidos podem conter cerca de 100.000-200.000 ovos, cada um sendo aproximadamente circular com casca espessa lisa medindo 30-50 x 20-30µm.

Uma subespécie Taenia saginata asiática possui rostelo e protuberâncias posteriores nos segmentos e 11-32 botões uterinos. Os metacestóides são pequenos, com cerca de 2mm, e possuem rostelo e duas fileiras de ganchos primitivos, sendo os da fileira exterior numerosos e minúsculos.

Ciclo de vida: Um ser humano infectado pode eliminar milhões de ovos diariamente, livres nas fezes ou como segmentos intactos, cada um contendo cerca de 250.000 ovos, e estes podem sobreviver no pasto por vários meses. Após a ingestão por um bovino suscetível, a oncosfera segue pelo sangue para o musculo estriado. Ela é primeiro macroscopicamente visível cerca de 2 semanas depois como uma mancha pálida semitransparente com cerca de 1mm de diâmetro, mas não é infectante para o homem até cerca de 12 semanas mais tarde, quando atingiu seu tamanho total de 1cm. Até lá ela fica englobada pelo hospedeiro em uma capsula fibrosa fina, mas apesar disso o escólex geralmente ainda pode ser observado. A longevidade dos cistos varia de semanas a anos. Quando eles morrem, geralmente são substituídos por uma massa caseosa enrugada, que pode tornar-se calcificada. Tanto cistos vivos quanto mortos frequentemente estão presentes na mesma carcaça. Seres humanos infectam-se por ingestão de carne crua ou inadequadamente cozida.

Patogenia: Embora Cysticercus bovis possa ocorrer em qualquer lugar nos músculos estriados, as localizações de predileção, pelo menos do ponto de vista de inspeção de rotina de carnes, são o coração, a língua e os músculos masseter e intercostais. Em condições naturais, a presença de cisticercos nos músculos dos bovinos não está associada a sinais clínicos, embora excepcionalmente bezerros que receberam infecções maciças de ovos de Taenia saginata tenham desenvolvido miocardite grave e insuficiência cardíaca associadas a cisticercos que se desenvolvem no coração.

Leia também:

Fonte:
AMBROSIO, J. R.; ZEPEDA-RODRIGUEZ, A.; FERRER, A.; REYNOSO DUCOING, O. & FORTOUL, T. I.Observaciones al Microscopio Electrónico de Barrido del Interior de un Proglótido de un Parásito Adulto de Taenia solium. International Journal Morphology29(1):127-132, 2011.

PFUETZENREITER, M. R.; ÁVILA-PIRES, F. D. Epidemiologia da Teníase/ Cisticercose por Taenia solium e Taenia saginata. Ciência Rural, v. 30, n. 3, p. 541-548, 2000.