Como funcionam as Eleições nos Estados Unidos

Por Fernando Rebouças
Nos EUA não é o voto direto do eleitor que decide a eleição norte-americana, mas um Colégio Eleitoral de 538 delegados indicados e eleitos por cada estado, com exceção de Maine e Nebraska, estados onde a divisão é feita por distritos eleitorais. De modo geral, o candidato à presidência precisa receber os votos dos delegados.

No Colégio Eleitoral, entre as 51 unidades federativas dos EUA, cada uma possui um número de cadeiras (delegados) que escolhem o presidente. O estado da Califórnia, por exemplo, possui 55. Cada delegado representante é livre para votar no candidato em que escolher, mas na prática votam no candidato escolhido pelo voto popular.

Em caso de empate no Colégio Eleitoral, a Câmara escolhe o presidente por voto de cédula representando um por estado, caso a Câmara não resolva, a decisão é repassada para o Senado. O número de delegados num estado corresponde ao número de senadores e deputados que o mesmo estado representa no Congresso.

As normas eletivas do cargo de presidente dos EUA é estabelecida na cláusula 3ª, seção 1 do artigo II da Constituição americana. A eleição presidencial sempre ocorre na terça-feira posterior ao primeiro domingo de novembro. O presidente assume no dia 20 de janeiro do ano seguinte.

Desde 1888, George W. Bush foi o primeiro candidato a vencer no Colégio Eleitoral mesmo perdendo no voto popular. Em 2000, George W. Bush teve 47,9 % do voto popular, enquanto que Al Gore obteve 48,4 %, mas se elegeu conquistando 271 delegados contra 266 de Al Gore.