Conservadorismo

Por Fernando Rebouças
Toda reação que segura qualquer tipo e intenção de mudança social, econômica e política é referida como um ato ou instituição política conservadora. O surgimento desta postura surgiu na fase de transição entre o feudalismo e o capitalismo.

Os governantes e grupos conservadores, historicamente, não se opõem a qualquer mudança, mas se opõem a mudanças fruto de revoluções, mudanças no encabeçamento do poder e que venham a ameaçar a ordem política e social controlada.

Em contraposição ao conservadorismo estão os progressistas que visam a mudança social revolucionária como algo possível e positivo para toda a sociedade. Acreditam que o homem possui a capacidade de transformar as condições sociais e da natureza para o aperfeiçoamento da humanidade.

O progressismo, frente ao conservadorismo político feudal e absolutista europeu, serviu de base para as iniciativas políticas e revoluções defendidas pela classe burguesa capitalista.

Podemos destacar o trabalho intelectual do filósofo anglo-irlandês Edmund Burke, que em suas ideias combatia o ateísmo, o racionalismo e defendia a ordem política tradicional.