Funções do "Se"

Por Ana Paula de Araújo
A partícula SE, que pode ser também um pronome, possui várias formas de uso e chega a causar dúvidas em muitas pessoas na hora de escrever textos ou em provas. Veremos aqui suas principais funções:

Como PRONOME, o “SE” pode ser

a)    Pronome Pessoal Reflexivo

Neste caso, o SE vai servir para indicar uma ação que é praticada pelo sujeito e ele mesmo receberá suas conseqüências. Dizemos que o sujeito pratica e sofre a ação.

Exemplos:

  • Maria cortou-se com uma tesoura.
  • Deitou-se mais cedo para descansar.

b)   Pronome Pessoal Recíproco

O pronome recíproco é muito parecido com o reflexivo, mas neste caso a ação envolve dois sujeitos, onde ambos praticam a ação um sobre o outro, e portanto também sofrem a conseqüência da ação praticada.

Exemplos:

  • Pedro e Maria deram-se as mãos.
  • Meus pais se amam profundamente.

c)    Pronome Apassivador

Pode também ser chamado de partícula apassivadora/apassivante, e serve para indicar que a frase está na voz passiva, ou seja, o sujeito sofre a ação praticada por outro agente. Chamamos de sujeito “paciente”.

O pronome apassivador segue um VTD (verbo transitivo direto) que esteja na 3ª (terceira) pessoa.

Exemplos:

  • Vendem-se casas.
  • Os livros que se estraviaram, foram restaurados.

d)   Pronome Indefinido

Também chamado de Índice de indeterminação do sujeito, é utilizado em frases cujo sujeito é indeterminado, e por muitos gramáticos não é considerado um pronome.

Exemplos:

  • Precisa-se de vendedor.
  • Vive-se um dia de cada vez.

O “SE” como PARTÍCULA DE REALCE

Como o nome já sugere, o SE servirá neste caso para realçar aquilo que está sendo dito, e portanto poderá ser retirado da frase sem prejudicar a sua estrutura sintática e coesão.

Exemplos:

  • Foi-se embora a minha última esperança.
  • Você fez o que lhe pedi? Se fiz!

Como CONJUNÇÃO SUBORDINATIVA, o “SE” pode ser:

a)    Causal

Pode ser substituída pelas construções ‘já que’, ‘visto que’ e ‘por que’. É utilizada na oração subordinada para indicar a causa da oração principal.

Exemplo:

  • Se você não chegou, tivemos que improvisar um apresentador.

b)    Condicional

Indica uma condição para a oração principal.

Exemplo:

  • Se você não chegar cedo, teremos que improvisar um apresentador.

c)    Concessiva

Pode ser substituída pela conjunção ‘embora’, e indica uma concessão, uma exceção à conseqüência natural da ação.

Exemplo:

  • Se perdermos este jogo, nem por isso sairemos daqui desanimados.

d)    Integrante

Aparece entre dois verbos para completar o sentido de um deles. É utilizada nas orações substantivas.

Exemplos:

  • Pergunte se trouxe a encomenda que pedi.
  • Fale-me se estou certo ou errado.