Presente do indicativo

Graduada em Letras-Português (USP, 2011)

Os tempos verbais se formam a partir da consideração do momento da enunciação: referem-se ao momento em que se fala (presente); a um momento anterior ao da fala (passado ou pretérito); ou a um momento posterior ao momento em que se fala (futuro). Assim, no que se refere ao presente, o momento do evento corresponde ao momento da enunciação.

Quando os verbos são empregados no tempo presente do modo indicativo, eles exprimem, portanto, um fato cuja ocorrência coincide com o momento em que se fala e é tido como certa, positiva, conforme pretende demonstrar a atitude do falante.

No presente do indicativo, os verbos seguem o paradigma de conjugação demonstrado pelo verbo estudar:

  • 1ª pessoa – singular: Eu estudo
  • 2ª pessoa – singular: Tu estudas
  • 3ª pessoa – singular: Ele/ela estuda
  • 1ª pessoa – plural: Nós estudamos
  • 2ª pessoa – plural: Vós estudais
  • 3ª pessoa – plural: Eles/elas estudam

Quanto à formação dos tempos, estabelece-se uma distinção entre tempos primitivos e tempos derivados.

Tempos primitivos são aqueles dos quais derivam todos os outros tempos, a partir do seu radical. São eles: presente do indicativo, pretérito perfeito do indicativo e infinitivo pessoal. Os tempos derivados, portanto, correspondem a todos os demais.

Considerando-se o presente do indicativo, o tempo primitivo corresponde às seguintes pessoas: 1ª e 2ª pessoas do singular - estudo, estudas; e a 2ª pessoa do plural – estudais.

Quanto ao uso, os verbos no presente do indicativo admitem os seguintes empregos mais frequentemente:

1) Podem exprimir ação habitual ou permanente, bem como fatos simultâneos ao momento da enunciação:

No verão, todos da família viajam juntos.
(verbo viajar; ação habitual)

Neste momento, sinto como se minha cabeça explodisse.
(verbo sentir; fato simultâneo à enunciação)

É fundamental considerar o contexto de enunciação do emprego dos verbos para a compreensão do que se pretende expressar. Nos exemplos acima, há marcas temporais que indicam o sentido do uso dos verbos: “no verão” e “neste momento”. Essas expressões nos ajudam a determinar que, no primeiro caso, o verbo expressa ação habitual e, no segundo caso, fato simultâneo à enunciação.

2) São utilizados, também, para exprimir um fato certo que ocorrerá num futuro muito próximo, em alternativa ao futuro do presente:

Segunda-feira, parto (=partirei) para o interior.

Ela vai (=irá) ao médico amanhã cedo.

3) Em narrações, o presente pode ser usado alternativamente ao pretérito, estabelecendo o chamado “presente histórico”. Tal emprego confere aproximação do leitor aos fatos já ocorridos e, portanto, visa à verossimilhança do que é narrado:

Ela estava sozinha, quando ouviu o som do carro se aproximando da casa. Em seguida, ele entra (=entrou), bate (=bateu) a porta e se senta (=sentou), em silêncio, ao lado dela.

Todos estavam reunidos na sala do Tribunal. Nesse momento, entra (=entrou) o réu, acompanhado do seu advogado, que agride (=agrediu) fisicamente um dos guardam que o escoltavam.

4) Pode ser empregado para exprimir verdades universais:

Ao contrário dos deuses, os homens são mortais.

Bibliografia:

CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova Gramática do Português Contemporâneo. 6ª ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2013. 800 p.

CEGALLA, D. P. Novíssima Gramática da Língua Portuguesa. 48ª ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional. 2009. 696 p.

Arquivado em: Português