Engenharia de Biotecnologia

Por Caroline Faria
Biotecnologia, Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia, Ciências Biológicas com ênfase em Biotecnologia e Engenharia de Biotecnologia são só alguns dos nomes atribuídos a esse curso.

Bastante recente por estas terras – o primeiro curso de biotecnologia do país foi criado em 2003 pela Unesp – o curso de biotecnologia prepara o estudante para atuar no melhoramento genético (principalmente visado na agricultura), desenvolvimento de produtos por meio de processos biológicos (como biofármacos, por exemplo), pesquisas relacionadas a genética e estruturas moleculares, e até na área ambiental no controle de agentes biológicos e saneamento, além de outras atividades.

A biotecnologia não é um ramo tão novo assim. Desde que o homem utiliza a ação de fungos para produzir queijos, por exemplo, ele está realizando uma das atividades da biotecnologia (que é desenvolver produtos se utilizando de processos biológicos). Mas, atualmente, com o avanço dos conhecimentos sobre a genética e o DNA, a biotecnologia passou a mesclar conhecimentos da engenharia genética e da biologia molecular para desenvolver uma gama de substâncias completamente novas como hormônios, enzimas e medicamentos além dos tão famosos organismos geneticamente modificados, ou transgênicos.

Com o lançamento de organismos geneticamente modificados para aplicação na agricultura e a polêmica que envolve o tema, o curso vem se tornando cada vez mais procurado pelos universitários. A concorrência na Unesp em 2006 chegou a pouco mais de 31 candidatos por vaga e a tendência é de crescimento à medida que as pessoas se acostumem com esse tipo de tecnologia.

Durante a graduação, o estudante irá se deparar com matérias como engenharia química, farmácia, biologia, engenharia de alimentos, biofísica, geologia, pedologia, morfologia humana, cálculo, genética, bioinformática, bioestatística, farmacologia, física, bioética, parasitologia e virologia, biotecnologia de alimentos, ambiental e vegetal e etc.

Hoje já existem 29 cursos de biotecnologia em todo o país (13 na região sudeste) sendo 14 específicos de Biotecnologia, 4 de Ciências Biológicas, ou Química, com ênfase em Biotecnologia, 5 cursos superiores de Tecnologia em Bioprocessos e Biotecnologia, e 6 cursos de Engenharia de Bioprocessos e Biotecnologia.

O profissional de biotecnologia poderá atuar tanto no setor público como no privado ou até mesmo desenvolvendo pesquisas. Departamentos de pesquisa e controle de indústrias de alimentos (vinhos, bebidas e etc.) e medicamentos ainda são os locais que mais empregam esse tipo de profissional, mas ele também pode atuar em empresas que lidam com nanotecnologia, laboratórios de genética ou fertilização in vitro, biossegurança e etc.. O salário do profissional recém - formado fica em torno de R$2.500,00 a R$4.000,00.

Fontes
http://revistagalileu.globo.com/Galileu
http://jcconcursos.uol.com.br
http://www.assis.unesp.br/cabiotec/paginas/vestibular.html