Urbanista

Por Roseliane Saleme
Planejar uma cidade era de responsabilidade dos arquitetos, porém com o crescimento populacional e a ocupação das áreas fez com que surgisse o profissional de urbanismo, que atua tanto no planejamento urbano, quer dizer, na orientação do crescimento de cidades, como em projetos de saneamento.

A representação mais voltada para a prática, no Brasil, aparece no planejamento urbano com Leis de Uso e Ocupação do Solo e Planos Diretores, que foram a princípio utilizados como instrumentos. Fatores como a especulação e a crescente ocupação das áreas periféricas das grandes cidades, ocasionando questões sociais que não foram solucionadas pelos instrumentos citados, provocaram uma mudança de direção do planejamento que se tornou participativo, interpondo a ideia de um urbanista como “condutor do processo”.

Fica interessante observar que os cursos de arquitetura são os que instrumentalizam os futuros profissionais para esse olhar diferenciado com o qual devem atuar na urbanização das cidades, despertando a sensibilidade  que aliada ao conhecimento, permitam o trabalho com arte e técnica, junção esta que vai favorecer sobremaneira a atuação do profissional para que possa resolver de modo satisfatório as necessidades da sociedade na qual está inserido. Para tanto é necessário ainda que este profissional possa intervir no todo urbano, como um processo da reflexão e da crítica e não trate essas duas áreas de sua formação, a arquitetura e o urbanismo, como fatos isolados, mas, pelo contrário que as veja e trabalhe-as como elementos estruturados integralmente.

Outro aspecto desejável na formação desse profissional é que entre suas aptidões esteja o desenho para que assim sua atividade projetual demonstre o quanto a sua intervenção é significativa para a melhoria do entorno social.

O mercado de trabalho do urbanista, se alarga, como explica a Faculdade de Belas Artes, pois, em conformidade com a legislação que regula a profissão, pode, entre outras atividades: projetar, construir e reformar edificações dos mais variados portes; trabalhar nas áreas de desenvolvimento e planejamento urbano, preservação e restauro de patrimônio histórico; atuar em arquitetura de interiores, exercer tarefas de consultoria, assessoria e de gerenciamento de obras; realizar vistorias, laudos, avaliações e pareceres e ainda dedicar-se ao ensino e à pesquisa.

O Arquiteto e Urbanista tanto pode exercer a sua profissão como autônomo ou pode atuar em empresas, especialmente as de arquitetura e de engenharia, como também estar vinculado a prefeituras, órgãos públicos, organizações não governamentais (ONGs) e instituições de ensino e pesquisa. Pelo conjunto de áreas de atuação apresentadas, e que não são todas as que a legislação discrimina, pode-se concluir que o Arquiteto e Urbanista tem oportunidades de trabalho em um riquíssimo leque de caminhos profissionais.

Fontes:
http://belasartes.br
http://guiadoestudante.abril.com.br/profissoes/artes-design/profissoes_271437.shtml
http://arquiteturaurb.blogspot.com/2009/11/historia-do-planejamento-urbano.html