Psicologia da Saúde

Por Ana Lucia Santana
A Psicologia da Saúde é uma especialidade psicológica bem recente, constituindo uma disciplina que visa melhor entender as questões relativas à saúde. Ela se preocupa com a compreensão pedagógica, científica e específica da Psicologia, sustentando o objetivo de instrumentalizá-la no desenvolvimento e na preservação da saúde, na profilaxia e na cura das enfermidades, na apuração das causas e na determinação precisa das doenças que acometem os pacientes, e também na melhoria da qualidade das políticas de Saúde.

Este campo do conhecimento resgata a visão do Homem como um todo, no qual é impossível dissociar a mente do organismo. Ela estabelece uma performance essencial para a psique ao buscar, através dela, a etiologia e o processo de cura da enfermidade. Mas ela se distingue da Medicina Psicossomática – que perquire as motivações das doenças e aborda o paciente como um todo -, da Saúde Comportamental – que procura, sem preocupação com teorias, sanar as questões emergenciais dos pacientes – e da Medicina Comportamental – a qual tenta evitar as doenças partindo do ponto de vista de que elas são provocadas por comportamentos incorretos. A Psicologia da Saúde está mais diretamente relacionada à Psicologia.

Esta área de atuação tem adquirido cada vez mais valor na esfera da Saúde, principalmente no que concerne à interação do Homem com o estado saudável e com as enfermidades, ao intercâmbio e à colaboração com os trabalhadores da Saúde, à pesquisa e renovação das políticas de Saúde. Em conseqüência disto ocorreu uma união de esforços entre a Psicologia da Saúde, a Saúde Pública e a recente Saúde Internacional.

Várias disciplinas têm surgido com o propósito de compreender o ser humano no seu todo, como uma entidade completa, uma engrenagem onde tudo se interliga, nada pode ser desagregado. A Psicologia da Saúde é igualmente um fruto desta tendência mundial, pois busca contribuir para o desenvolvimento de uma sociedade mentalmente saudável, conquistando um ponto de vista holístico, ou seja, bio-psico-social, de cada ser, percebendo-o como peça essencial para uma melhor qualidade da vida em sociedade.

Estudiosos como Bock & Cols procuram meios de evitar que as enfermidades psíquicas apareçam, implementando ardis que impeçam a sua gênese. Portanto, estes profissionais enfrentam a responsabilidade de criar mecanismos que promovam o bem-estar da sociedade, prevenindo patologias ou, pelo menos, atenuando-as ou preparando o grupo social para que ele esteja disposto a aceitar aquelas que não podem ser evitadas. Deste modo, esta disciplina se interliga à Psicologia Social, à Comunitária, à Organizacional, à Hospitalar, entre outras.

A procura dos profissionais por este campo da Psicologia vem se ampliando, bem como a oferta de cursos nesta área. Seus currículos começam a englobar temas inerentes às esferas da Saúde Pública e da Saúde Internacional, enquanto a graduação nestes campos também tem incluído aspectos associados à Psicologia da Saúde.

No Brasil este trabalho teve início no Hospital de Clínicas de Uberlândia, há pelo menos dez anos, tanto nos setores de internação quanto nos ambulatórios. Esta atuação se tornou oficial em 1991, quando se instituiu o Serviço de Psiquiatria e Psicologia Médica deste Hospital, fruto da integração das psicólogas que operavam na Enfermaria de Pediatria e UTI, na Monitoria das Ciências do Comportamento Aplicadas à Saúde, pertencente ao Departamento de Clínica Médica da Universidade Federal de Uberlândia. Posteriormente este trabalho cresceu, com a admissão de novas psicólogas, conquistando organização administrativa autônoma em 1996.

Fontes
http://br.geocities.com/corpomentejp/index.html
http://susanaalamy.sites.uol.com.br/psicopio_n2_44.pdf
http://www.hc.ufu.br/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Psicologia_da_saúde
http://www.scielo.oces.mctes.pt/
http://www.tudoperto.com.br/destaque/crisalida.html