Transtorno de Déficit de Atenção

O fenômeno conhecido como Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade – TDAH – afeta geralmente crianças, mais ou menos na faixa de 5 a 10 anos de idade, mas também pode ocorrer em adolescentes e adultos, principalmente no sexo masculino, atingido quatro a nove vezes mais que o feminino. A pessoa com esse problema é muito inteligente, criativa e intuitiva, mas todo seu potencial é prejudicado em função da desatenção, da impulsividade e da hiperatividade que acometem o indivíduo investido dessa perturbação psíquica.

O paciente com TDAH tem muitos desafios a vencer, pois não consegue se concentrar nos eventos, ler um livro, jogar xadrez, assistir uma aula, sem que sua mente viaje para longe e mergulhe em um redemoinho de preocupações, pensamentos, projetos e planos que, aliás, ele não consegue concluir, justamente por estar sempre com a cabeça confusa e repleta de tarefas incompletas. Tudo está constantemente por fazer, por acabar ou organizar neste cérebro desatento e perdido. Normalmente ele deseja fazer tudo simultaneamente, sem que nada fique concluído. Tanto interiormente quanto à sua volta impera a desorganização.

Deve ficar claro que nem todas as pessoas impulsivas e agitadas sofrem deste Transtorno. É preciso que as características principais, como a carência de atenção e a hiperatividade, interfiram expressivamente na vida do indivíduo, prejudicando suas atividades e seu desempenho cotidiano. Ele deve apresentar estes sintomas em todos os ambientes que freqüenta, não apenas em um destes espaços sociais, pois neste caso seu comportamento poderia significar apenas que ele carece de alguns limites, seja na escola ou em casa. A impetuosidade deve ser dominante em sua forma de agir, e seus atos compulsivos o suficiente para compeli-lo ao exagero em tudo que faz, dedicando um tempo excessivo para comer, beber, jogar, trabalhar, etc. Conseqüentemente, o paciente geralmente é impaciente, irritado, explosivo e apresenta mudanças freqüentes de humor.

O médico alemão Heinrich Hoffman foi o primeiro estudioso a chamar a atenção para este problema, em 1854. Desde este momento, usaram-se nomes os mais diversos para designar esta síndrome, até se atingir a atual nomenclatura. Como reconhecer em uma criança os sintomas mais comuns, que realmente indicam a presença deste Transtorno? Elas tendem a cometer muitos erros, por serem incapazes de manter a atenção e de se concentrar nos pequenos detalhes, embora possam tornar-se extremamente concentradas quando a situação o exige. Normalmente, porém, parecem estar sempre alheias, distantes, atraídas por estímulos externos, e evitam envolver-se com tarefas que exijam um esforço mental maior. Estão sempre esquecendo de realizar as atividades do dia-a-dia. Hiperativas, não conseguem parar quietas, agitam as mãos, os pés, não ficam sentadas muito tempo, estão continuamente se mexendo e falam demais. Até mesmo nas brincadeiras as crianças com este Transtorno apresentam dificuldades, pois elas se encontram todo o tempo ‘a mil’, o que gera uma incompatibilidade de ritmo com os colegas.

O TDAH é uma alteração neurobiológica crônica, geralmente de origem genética. Até os nossos dias este fenômeno não foi ainda devidamente pesquisado, sendo de certa forma desconhecido, mesmo nos meios médicos. Estes profissionais tratam, na maior parte dos casos, apenas de suas conseqüências. Infelizmente, esta abordagem científica gera prejuízos na vida escolar ou profissional do paciente, pois sem o devido tratamento outros transtornos podem se somar ao TDAH, rebaixar sua auto-estima e levá-lo a se sentir um ET entre as outras pessoas, conduzindo-o gradualmente ao isolamento social. Portanto, é fundamental o diagnóstico correto, por um médico especializado, geralmente neurologista, pediatra ou psiquiatra. Alguns testes podem auxiliar o profissional a eliminar qualquer dúvida, principalmente no caso de pacientes adultos.

O tratamento adequado, realizado desde o início, evita que a criança seja rotulada como o mais bagunceiro, aquele que não faz as lições, ou ainda o vagabundo da turma. Mas o principal fator que indica a necessidade de um acompanhamento médico é o desenvolvimento emocional e intelectual da criança, que sem o acolhimento indispensável seria prejudicado, o que pesa muito em uma sociedade competitiva como a nossa. Outra razão muito importante é de caráter preventivo, pois o indivíduo afetado tem uma tendência a usar drogas – mais freqüente nos adolescentes e adultos -, a adquirir problemas mais sérios de humor – especialmente a depressão – ou transtornos de conduta.

A medicação consiste no uso de um psico-estimulante, essencialmente direcionado para o sistema nervoso central, na adoção de um antidepressivo ou até de outras substâncias. É essencial o acompanhamento médico na evolução do tratamento - na observação do desempenho dos remédios utilizados -, aliado a uma psicoterapia – a participação da família nesse processo é fundamental. Deve haver uma orientação para os familiares e professores, para que se estabeleçam os limites necessários para a criança com este transtorno.

Arquivado em: Psicologia