Relação entre produto e Texto Publicitário

Por Fernando Rebouças
Compreender o raciocínio publicitário abre caminho para escrever melhores anúncios. O texto da peça publicitária não precisa ser obrigatoriamente curto. Existe um mito errôneo que diz que o anúncio deve ter uma quantidade mínima de texto.

No texto publicitário é necessário, principalmente no lançamento de um produto, explicitar todos os detalhes do produto, pois vender um produto é uma tarefa didática, considerando que o consumidor só compra o que conhece. Vivemos num mundo consumista, mas precisamos “ensinar” e “informar” o consumidor a consumir o produto anunciado.

Para redigir um bom anúncio é elementar saber o que é o produto anunciado, qual o público-alvo e canal de comunicação a ser usado. O produto pode ser um produto físico, serviço ou imagem de uma instituição. Escrever um bom anúncio é ser didático sem transparecer que está sendo didático.

Independente da quantidade de texto, o redator publicitário busca objetividade e clareza. Quando a mídia apresenta grande dispersão, como um outdoor numa avenida movimentada, o texto tende a ser curto. Quando a dispersão da mídia tende a ser menor, como num folheto ou folder, o texto pode ser mais longo.

As pessoas predispõem de pouco tempo, é necessário listar as principais informações do produto, enxugar o texto e “maquiar” o texto para atrair com precisão o consumidor certo. As pessoas compram revistas e jornais para ler as notícias e não os anúncios, portanto o anúncio deve ter a capacidade de capturar a atenção do leitor e o fazer consumidor do produto anunciado.