Classificação de Óxidos Inorgânicos

Licenciatura Plena em Química (Universidade de Cruz Alta, 2004)
Mestrado em Química Inorgânica (Universidade Federal de Santa Maria, 2007)

As funções estudadas na química inorgânica são em número de quatro: os ácidos, as bases, os sais e os óxidos. A última das funções apresentadas, os óxidos, recebe elevada importância, tanto na química orgânica quanto na química inorgânica.

Chama-se de óxido um composto binário formado pela ligação química, a qual poderá ser iônica (doação e recebimento de elétrons, quando o segundo elemento envolvido for um metal) ou covalente (compartilhamento de elétrons, quando o segundo elemento envolvido for um não metal), com o elemento químico oxigênio. Quando se refere à química orgânica, um óxido pode ser definido como um produto oxigenado obtido a partir de operações de desidratação.

A obtenção industrial de um óxido pode se dar por métodos de extração naturais, pois muitos deles ocorrem naturalmente. Os procedimentos químicos para tais obtenções geralmente requerem altas temperaturas, em reações de decomposição, ou exposição ao oxigênio do ar, em reações de síntese. Um dos mais importantes óxidos para a indústria é o óxido de cálcio (CaO), conhecido apenas por cal, o qual é obtido pela decomposição térmica do carbonato de cálcio (CaCO3) em CaO e gás carbônico (CO2), outro óxido de origem natural.

Os óxidos inorgânicos podem ser classificados de acordo com seu comportamento experimental, em:

  1. Óxidos ácidos: são aqueles que apresentam elemento não metálico ligado covalentemente ao oxigênio, e reagindo quimicamente com a água, resultam em ácidos. Ex. monóxido de carbono (CO) e dióxido de enxofre (SO2).
  2. Óxidos básicos: são aqueles que apresentam elemento metálico ligado ionicamente ao oxigênio e reagindo quimicamente com a água resultam em bases. Ex. óxido de mercúrio (HgO) e óxido de sódio (NaO).
  3. Óxidos anfóteros: são aqueles que reagem quimicamente com a água para formar sais. Ex. óxido de arsênio (AsO2) e óxido de alumínio (Al2O3).
  4. Óxidos neutros: são aqueles que apresentam baixa reatividade química. Ex. óxidos de nitrogênio (NO e N2O).
  5. Óxidos salinos: são aqueles que comportam-se como se fossem constituídos pela junção de dois óxidos. Ex. óxido de chumbo (Pb3O4) e óxido de manganês (Mn3O4).
  6. Peróxidos: são aqueles onde o número de oxidação do oxigênio é -1 e são capazes de liberar o gás oxigênio (O2) com relativa facilidade. Ex. peróxido de hidrogênio (H2O2) e peróxido de bário (BaO2).
  7. Superóxido: são aqueles onde o número de oxidação do oxigênio é -1/2. Um superóxido reage quimicamente produzindo um peróxido. Ex. superóxido de magnésio (MgO2) e superóxido de cálcio (CaO2).

Referências:
ATKINS, Peter; JONES, Loreta; Princípios de Química: questionando a vida moderna e o meio ambiente, Porto Alegre: Bookman, 2001.
FELTRE, Ricardo; Fundamentos da Química, vol. Único, Ed. Moderna, São Paulo/SP – 1990.
PERUZZO, Francisco Miragaia (Tito); CANTO, Eduardo Leite; Química na Abordagem do Cotidiano, Ed. Moderna, vol.1, São Paulo/SP- 1998.

Arquivado em: Química