Fluoretos

Licenciatura Plena em Química (Universidade de Cruz Alta, 2004)
Mestrado em Química Inorgânica (Universidade Federal de Santa Maria, 2007)

O elemento químico flúor, de número atômico 9 (Z = 9) e número de massa 19 (A = 19) está localizado na Família 7A da Tabela Periódica, o que o classifica como pertencente à família dos halogênios. A sua configuração eletrônica, razão desta sua classificação, é 1s22s22p5, o que mostra que o átomo de flúor possui sete elétrons em sua camada de valência (última camada, camada L no caso do flúor). Dessa forma, o átomo de flúor necessita de um elétron para adquirir a estabilidade de um gás nobre (de acordo com a Regra do Octeto, oito elétrons na camada de valência conferem maior estabilidade a um átomo). Assim, o NOX (número de oxidação) do flúor é (-1), o qual expressa a sua tendência ao fazer apenas uma ligação química, em molécula orgânica ou inorgânica. O nome dado à partícula iônica F- é fluoreto, o qual é o ânion de muitos sais de importância laboratorial e industrial.

“O fluoreto é um composto químico binário derivado do ácido fluorídrico (HF), por substituição do hidrogênio por um metal ou radical monovalente positivo.”1

Um fluoreto de algum metal trata-se de um sal inorgânico onde está presente como ânion (partícula carregada negativamente) o átomo de flúor monovalente, e um cátion metálico. O número de cargas positivas deverá ser igual ao de cargas negativas, o que quer dizer que o NOX do cátion será igual à quantidade de fluoretos existentes na molécula, uma vez que o fluoreto realiza apenas uma ligação química. Portanto, no caso do fluoreto de potássio, a fórmula molecular será KF (o metal potássio apresenta NOX +1), já a fórmula molecular do fluoreto de magnésio será MgF2, pois o metal magnésio apresenta NOX +2. E ambos os metais exemplificados podem ter o seu NOX relacionado às suas posições na Tabela Periódica: o primeiro na Família 1A e o segundo na Família 2A.

Os sais formados pelo ânion flúor estão entre os mais corriqueiros da química inorgânica, estando presentes em muitas substâncias naturais de ampla utilização na indústria e no laboratório de pesquisa. O primeiro já citado, KF, trata-se de um sal branco, inodoro, bastante solúvel em água, utilizado diretamente para várias sínteses e como intermediário de várias outras. Já o MgF2 é um sólido branco que se apresenta sob a forma de cristais, muito tóxico para organismos marinhos, devendo seu manuseio e descarte ser realizado com bastante cautela e sempre com absoluto controle da situação do laboratório ou da indústria em ralação aos possíveis impactos ambientais.

Leia também:

Referências:
1. BARBOSA, Addson; Dicionário de Química, 2° Ed.; AB – Editora, Goiânia, 2000.