Funções da Linguagem

Por Ana Paula de Araújo
Toda linguagem tem um objetivo. A linguagem verbal, por sua vez, tem alguns objetivos muito claros e por isso devem ser estudados para que possamos melhor entendê-la e utilizá-la.

Vejamos primeiramente como funciona o sistema de comunicação, utilizando a linguagem verbal.

  • Aquele que emite a mensagem, codificando-a em palavras chama-se EMISSOR.
  • Quem recebe a mensagem de a decodifica, ou seja, apreende a idéia, é chamado de RECEPTOR.
  • Aquilo que é comunicado, o conteúdo da comunicação é chamado de MENSAGEM.
  • CÓDIGO é o sistema linguístico escolhido para a transmissão e recepção da mensagem.
  • REFERENTE, por sua vez, é o contexto em que se encontram o emissor e o receptor.
  • O meio pelo qual esta mensagem é transmitida é nomeado CANAL.

São seis as funções básicas da linguagem verbal:

Função Emotiva / Expressiva

É centralizada no emissor. Como o próprio nome já diz, tem o papel de exprimir emoções, impressões pessoais a respeito de determinado assunto. Por esse motivo ela normalmente vem escrita em primeira pessoa e de forma bem subjetiva. Em textos que utilizam a função emotiva há uma presença marcante de figuras de linguagem, mensagens subentendidas, elementos nas entrelinhas, etc.

Os textos que mais comumente se utilizam desse tipo de linguagem são as cartas, as poesias líricas, as memórias, as biografias, entre outros.

Função Referencial / Denotativa

Contrariamente à emotiva, esse tipo de linguagem é centralizada no referente. Como seu foco é o de transmitir a mensagem da melhor maneira possível, a linguagem utilizada é objetiva, recorrendo a conceitos gerais, vocabulário simples e claro, ou, dependendo do público alvo, vocabulário que melhor se adeque a ele. É chamada de denotativa devido à objetividade das informações, à clareza das idéias. Há uma prevalência do uso da terceira pessoa, o que torna o texto ainda mais impessoal.

Os textos que normalmente fazem uso dessa função são os textos jornalísticos e os científicos.

Função Apelativa / Conativa

Como sugere a nomenclatura, essa função serve para fazer apelos, pedidos, para comover ou convencer alguém a respeito do que se diz. Centralizada no receptor, procura influenciá-lo em seus pensamentos ou ações. É bastante frequente o uso da segunda pessoa, dos vocativos e dos imperativos.

Essa função é aplicada particularmente nas propagandas ou outros textos publicitários, e também em campanhas sociais, com o objetivo de comover o leitor.

Função fática

Centraliza-se no canal. Tem o objetivo de estabelecer um contato ou comunicação, não necessariamente com uma carga semântica aparente.

É utilizada em saudações, cumprimentos do dia a dia, expressões idiomáticas, marcas orais, etc.

Função poética

Caracteriza-se basicamente pelo uso de linguagem figurada, metáforas e demais figuras de linguagem, rima, métrica, etc. É semelhante à linguagem emotiva, sendo que não necessariamente revela sentimentos ou impressões a respeito do mundo.

Como pode-se constatar essa função é aplicada em poesias, músicas e algumas obras literárias.

Função metalinguística

Esta última função está presente principalmente em dicionários.
Caracteriza-se por trazer consigo uma explicação da própria língua. Pode ocorrer também em poesias, obras literárias, etc.