Fé Bahá'í

Por Ana Lucia Santana
A Fé Bahá’í ou bahaísmo é uma crença universal, autônoma, detentora de normas e textos sagrados próprios, nascida em 1844, na ancestral Pérsia, onde atualmente está localizado o Irã. Ela foi instituída por Mirzá Husayn Ali, intitulado Bahá’u’lláh - nome que tem o sentido de ‘Glória de Deus’ -, o qual nasceu e viveu em Teerã, em 1817. Dono de uma sabedoria incomum, este ser devotado foi logo cedo conhecido como Pai dos Pobres.

Gerada em um país onde reinava a intolerância, esta fé prega a unidade, a tolerância, a aceitação das diferenças, a existência de uma civilização que se baseia na crença em um único Deus, na qual todas as religiões são expressões distintas, em tempos históricos diversos, de uma só verdade, que vai sendo gradualmente revelada, à medida que o Homem progride espiritualmente.

Esta religião é totalmente desprovida de concepções dogmáticas, de ritos, organização clerical e de sacerdotes. Seus devotos são chamados de bahá’ís. Hoje esta crença atrai pelo menos 7 milhões de seguidores, sendo assim a segunda fé mais disseminada pelo Globo, presente em aproximadamente 178 nações em todo o Planeta, sendo ultrapassada somente pelo Cristianismo.

Para os adeptos desta religião, ao longo da História houve apenas o relato dos eventos transcorridos no seio de reinados, civilizações, religiões, ideais e utopias. A História propriamente dita, portanto, só teve início para eles a partir da criação do bahaísmo, que vê a humanidade como um gênero único, unido por laços que se vinculam à unidade divina. Assim, o Homem tem a missão de fazer progredir uma civilização em incessante estágio evolutivo, e de buscar a uniformidade na diversidade.

Segundo o bahaísmo, o ser humano deve estar sempre à procura da verdade, sem restrições dogmáticas, livremente, onde quer que ela se encontre. Seus membros combatem sem cessar toda forma de preconceito e discriminação, partindo do ponto de vista da igualdade, de que todos pertencem à mesma família espiritual.

Nesta fé crê-se também na mesma seara de perspectivas para homens e mulheres, pois a espécie humana não evoluirá e não conquistará as alturas sem a harmonia total entre o masculino e o feminino. Aliás, o mesmo equilíbrio deve estar presente na relação entre a religião, a razão e a ciência, pois o desenvolvimento da Humanidade está intrinsecamente ligado a esta interação harmônica.

A fé Bahá’í desembarcou no Brasil em fevereiro de 1921, graças á transferência da Senhora Leonora Holsapple Armstrong para este país. Esta venerável dama morreu na Bahia, em 1980, depois de difundir em terras brasileiras sua crença. Atualmente os adeptos desta religião, por volta de 57.000 membros, estão disseminados nos mais variados extratos sociais, culturais e econômicos brasileiros.

Pode-se dizer que pelo menos 1.215 cidades brasileiras abrigam hoje os bahá’ís, nas mais diversas regiões do país. Este grupo é muito respeitado no Brasil por seu constante desenvolvimento de projetos ligados ao progresso sócio-econômico de vários territórios brasileiros. Além do Brasil, encontram-se santuários desta religião em países como Israel, Alemanha, Austrália, Índia, Panamá, Samoa, Uganda e Estados Unidos.

Fontes
http://www.bahai.org.br/nsabr/intbio1.asp
http://www.girafamania.com.br/tudo/religiao_bahai.htm