Idolatria

A Idolatria é o ato de prestar culto a ídolos.

O dicionário informal da língua portuguesa define idolatria como “dar atributos de Divino a qualquer objeto, coisa ou pessoa como se fossem Deus e adorá-los. Simbolizar o sagrado e divino não é o mesmo que ser sagrado e divino. Imagens por exemplo pode ser símbolos ou ídolos dependendo da dimensão que ela assume diante daquele que a tem. Posso ter uma imagem e não ser idólatra como também posso ter e ser”.

Na bíblia, a palavra idolatria diz respeito à adoração de ídolos, numa prática que se opõe a adoração de um Deus monoteísta, e ainda a prática da adoração a outros deuses que não o “Senhor”. Diversos povos pecaram adorando a outros deuses, chegando a sacrificar os próprios filhos, ou saindo da presença de Deus e cometendo toda sorte de imoralidades, como por exemplo, as cidades de Sodoma e Gomorra, que chegaram a ser destruídas numa chuva de fogo e enxofre. Ou ainda, a adoração ao bezerro de ouro, quando o povo israelita aguardava no deserto, a oportunidade de entrar na terra prometida. Moisés havia subido ao monte para falar com o Senhor e neste tempo o povo adulterou construindo um bezerro de ouro para adorar, o que desagradou a Deus.

Entre as duas denominações cristãs mais conhecidas no Brasil, catolicismo e protestantismo há alguma divergência quanto a prática de adoração e santificação de imagens sacras. Entretanto ambas parecem concordar que idolatria pode ser entendida como algo que esteja fora do contexto cristão e “tomando o lugar” da intimidade com Deus. Por exemplo adorando artistas, atletas, seitas, bandas, etc. O ato de admirar quaisquer dessas figuras é reconhecidamente aceitável, e até mesmo saudável, quando permanece apenas no campo da admiração, do lazer, sem comprometer a saúde e a vida espiritual do indivíduo.

Vale ressaltar que a perda deste equilíbrio no ambiente religioso passa a ter o nome de “fanatismo”.  A idolatria não caracteriza doença ou desequilíbrio no ato de prestar culto a algo ou alguém, e sim, diz respeito somente a atribuir poderes e características de divindade a objetos e representações.

A seguir, a reprodução de parte do Salmo 115 uma das maiores referências bíblicas que tratam  sobre a idolatria:

“Mas o nosso Deus está nos céus; fez tudo o que lhe agradou. Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; olhos têm, mas não vêem. Têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram. Têm mãos, mas não apalpam; pés têm, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta. A eles se tornem semelhantes os que os fazem, assim como todos os que neles confiam. Israel, confia no Senhor; ele é o seu auxílio e o seu escudo. (...) Sois benditos do Senhor, que fez os céus e a terra. Os céus são os céus do Senhor; mas a terra a deu aos filhos dos homens. Os mortos não louvam ao Senhor, nem os que descem ao silêncio. Mas nós bendiremos ao Senhor, desde agora e para sempre. Louvai ao Senhor”.

Bibliografia:
http://www.dicionarioinformal.com.br/idolatria/
A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, e estudo. 2 ed, Barueri SP: sociedade Bíblica do Brasil 2009.
Bíblia sagrada. Traduzida em português por João Ferreira de Almeida. Revista e Atualizada no Brasil 2 ed Barueri SP, Sociedade Bíblica do Brasil, 1988, 1993.

Arquivado em: Religião