Kopimismo

Criada por Isak Gerson, estudante de filosofia, a Igreja Missionária do Kopimismo é formada por um grupo de pessoas que compartilham arquivos e declaram que a cópia de informações é uma virtude sacra. Localizada na Suécia, a Igreja sede da congregação, após diversas solicitações, foi reconhecida como comunidade religiosa pela kammarkollegiet, Agência de Serviços Administrativos, Jurídicos e Financeiros. No dia cinco de janeiro de 2012, o Kopimismo teve aceitação na Suécia como religião fidedigna.

Os integrantes do culto são conhecidos como “kopimistas”, nome que tem origem na expressão “copie-me” (copy me). Entre as crenças de um seguidor desta religião, a mais importante é a de que toda a informação deve ter sua distribuição irrestrita e sem nenhuma barreira. Desta forma, os kopimistas se opõem ao monopólio do conhecimento em todas as suas vertentes. São contra leis de direitos autorais e favoráveis à distribuição de quaisquer tipos de mídia como softwares, arquivos de vídeo, músicas, texto ou imagens.

Um dos principais lemas defendidos pela igreja kopimista é: "Em nossa crença, a comunicação é sagrada". Apesar do sentido religioso, no site oficial da entidade, não são encontradas menções a nada sobrenatural ou algum tipo de deus. Os símbolos sagrados do kopimismo são as teclas de teclado CTRL + C e CTRL + V, que significam, respectivamente, copiar e colar.

Alguns dos principais “mandamentos” do Kopimismo são:

  • Conhecimento para todos
  • Sagrada é a busca pelo conhecimento
  • Livre circulação sagrada do conhecimento
  • Copiar é um ato sacro
  • Copiar informações é correto e ético
  • Divulgar informações é correto e ético
  • A internet é sagrada
  • Fazer "copymixing", ou seja, modificar uma cópia, é algo sagrado, pois aumenta a riqueza das informações pré-existentes.
  • O código é a lei

Em abril de 2012, foi feito pela primeira vez um casamento dentro da Igreja Missionária do Kopimismo. Com sua realização em Belgrado (Sérvia), a cerimônia uniu um homem italiano e uma mulher de origem romena. O casamento foi conduzido por uma pessoa usando uma máscara de Guy Fawkes, que tinha planos de explodir o Parlamento do Reino Unido em 1605.

De acordo com reportagem de Vinicius Felix, publicada no portal do jornal O Estado de São Paulo no dia 29 de janeiro de 2013: “No Kopimismo todos podem colaborar para a evolução da religião, é uma crença em código aberto. Para participar não é preciso abandonar a religião e o batismo pode ser feito em casa. É o autobatismo, ou então autoboot, para usar a linguagem da rede”.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_Mission%C3%A1ria_do_Kopimismo
http://blogs.estadao.com.br/link/o-download-como-religiao/
http://kopimismo.net/
http://tecnologia.terra.com.br/campus-party/internet-e-sagrada-igreja-kopimista-realiza-1-culto-na-campus-party,9393391e0488c310VgnVCM3000009acceb0aRCRD.html

Arquivado em: Religião