Secularismo

O Secularismo é definido pelo dicionário da língua portuguesa como “sm (secular+ismo) 1 Regime secular ou laical. 2 Espírito ou tendência secular. 3 Sistema ético que rejeita toda forma de fé e devoção religiosas e aceita como diretrizes apenas os fatos e influências derivados da vida presente; laicismo. 4 Doutrina segundo a qual devem ser excluídos da educação pública e de outros assuntos estatais elementos religiosos”.

Essa terminologia é mais utilizada na área da filosofia e da religião, inclusive, a autora cristã Hilary McFarlane em seu artigo intitulado “A vida equilibrada: conciliando fé pessoal e vida prática” definiu o Secularismo como “aquilo que se crê deve estar ligado à lei do local”. Segundo ela: “Comunicar o evangelho de modo claro às pessoas ao nosso redor é essencial. Sem tal comunicação não teríamos nada a dizer. O que destrói a relação entre fé e dogma é alterar radicalmente o que se crê, a fim de fazer com que se torne agradável para a cultura que nos cerca. A ‘teologia da prosperidade’ é um exemplo disso. A Bíblia frequentemente a coloca em xeque”.

O secularismo é o conceito que se refere a distinção entre as organizações do governo e os encarregados para representar o Estado a partir de organizações religiosas. Pode se dizer que o secularismo defende o exercício de uma função ou aprendizado sem vínculo com um ensinamento religioso, como uma isenção da imposição do governo de uma religião sobre a população, desde que seja uma comunidade neutra em relação à crenças religiosas. Ou seja, o secularismo diz respeito às decisões sociais, sobretudo políticas, que agem de forma imparcial em relação à influência religiosa. Entre os pensadores e filósofos que estão em acordo com o pensamento secular, estão: Marco Aurélio, Epicuro, Averróis, Diderot, Voltaire, Thomas Jefferson, Bertrand Russel entre outros.

No ano de 2009 o site “amaivos.uol” já trazia um texto do autor: John L. Allen Jr onde este afirmava que “No Brasil, um respeitado instituto nacional de pesquisa, a Fundação Getúlio Vargas, publicou um novo estudo que sugere que o secularismo – definido, neste caso, como o ato de jogar a toalha em termos de fé e prática religiosas – está fazendo rápidas incursões entre os jovens brasileiros. Com base em 200 mil entrevistas realizadas para o Censo do Brasil de 2010, o estudo conclui que a parcela católica da população brasileira caiu para 68%, seu nível mais baixo desde que os dados do censo começaram a ser coletados em 1872, em parte por causa do elevado percentual de jovens que negam ter qualquer filiação religiosa”.

Ainda segundo a pesquisa a principal conclusão é a seguinte: “o número de pessoas com menos de 20 anos que dizem não seguir nenhuma religião está crescendo três vezes mais rapidamente do que entre as pessoas com mais de 50 anos, sendo que 9% dos jovens brasileiros dizem não pertencer a nenhuma religião”. E entre fatores apontados para justificar estes dados estão:

1)       O boom econômico do Brasil, que convenceu uma parte da juventude de hoje que eles simplesmente não precisam da religião;

2)       Suposto distanciamento e arrogância por parte do oficialismo católico, combinado com elementos da doutrina da Igreja que não lidam bem com a juventude de mente progressista, incluindo as posições da Igreja sobre aborto, contracepção e homossexualidade (não surpreendentemente, essa ideia é especialmente popular na ala liberal da Igreja brasileira);

3)       Uma excessiva concentração na política por parte da Igreja brasileira, especialmente do que restou do movimento da teologia da libertação, com o resultado de que os jovens de hoje estão espiritualmente à deriva (esse tende a ser a explicação favorita da direita católica);

4)       A crescente falta de padres no Brasil, juntamente com as dificuldades na mobilização de leigos para compensá-la (isso é o que muitas vezes se ouve da linha de frente dos agentes de pastoral do país).

De acordo com Allen Jr, qualquer que seja explicação que se favoreça, a imagem básica parece clara: uma parcela crescente da geração mais jovem do Brasil está efetivamente se secularizando.

Bibliografia:
http://www.dicio.com.br/secularismo
http://www.significados.com.br/secularismo
http://amaivos.uol.com.br
A Bíblia da Mulher: leitura, devocional, e estudo. 2 ed, Barueri SP: sociedade Bíblica do Brasil 2009.

Arquivado em: Religião