Parto prematuro

Por Débora Carvalho Meldau
Uma gestação considerada normal dura de 37 semanas completas a 42 semanas incompletas, sendo este parto denominado “à termo”. Já o parto prematuro, também chamado de pré-termo, é aquele no qual a gravidez é interrompida entre 22 a 37 semanas de gestação.

Há evidência de que aproximadamente 12% da totalidade dos partos são prematuros. Na maioria das vezes é fácil determinar a causa do parto prematuro, sendo estas as principais:

  • Sangramento uterino: pode ser resultante de uma alteração da placenta, levando ao rompimento precoce das membranas amnióticas.
  • Exacerbada distensão uterina: em casos de gestação de múltiplos ou quando há uma produção em excesso de líquido amniótico, há um considerável aumento de volume do útero, podendo levar à produção de substâncias que induzem às contrações uterinas.
  • Estresse psicológico ou físico: pode ocasionar a liberação de hormônios que estimulam as contrações.
  • Infecção ou inflamação: também leva à produção de substâncias que induzem as contrações.

Uma vez que grande parte dessas causas pode ser identificada precocemente, o acompanhamento pré-natal é de grande importância, pois possibilita a identificação das causas do parto prematuro. Deste modo, é possível implementar medidas de prevenção, bem como uma orientação por parte do médico caso haja a presença de alguma complicação.

Alguns fatores e patologias aumentam as chances de uma gestante vir a ter parto prematuro, embora muitos dos partos pré-termo ocorrem em gestantes que não se encaixam no grupo de risco.

O principal fator de risco para a ocorrência de um parto prematuro é quando a mulher já apresentou um parto pré-termo anteriormente. Dentre outros fatores estão:

  • Tabagismo;
  • Mulheres com peso muito baixo anteriormente à gestação ou que engordaram pouco durante a mesma;
  • Histórico de cirurgia de colo uterino;
  • Anormalidades anatômicas no útero;
  • Anemia grave;
  • Necessidade de cirurgia na região abdominal durante a gravidez;
  • Uso de drogas ilícitas, como, por exemplo, a cocaína;
  • Curto intervalo de tempo entre duas gestações.

Outro ponto que deve ser ressaltado é quanto maior a idade da mulher, maior o risco de ocorrência de parto prematuro.

As manifestações clínicas que auxiliam na identificação do parto prematuro são:

  • Fortes dores na região abdominal ocasionadas por contrações uterinas;
  • Dor continua nas costas;
  • Aumento da secreção vaginal;
  • Sangramento vaginal;
  • Diminuição dos movimentos fetais;
  • Rompimento das membranas.

Tipicamente, a maior parte dos partos prematuros ocorre entre 34 a 36 semanas de gestação. Nesse período, os recém-nascidos correm pouco risco de apresentar problemas, embora seja provável que o mesmo necessite de auxilio para respirar e mamar.

No entanto, crianças que nascem antes das 34 semanas de gestação ainda necessitam crescer bastante e desenvolver seus órgãos internos. Nesses casos, os bebês possuem maior chance de apresentar icterícia e adquirir infecções, além de dificuldade de equilibrar a temperatura corporal. Quanto mais prematura a criança, a mesma apresenta maiores chances de apresentar hemorragia cerebral, problemas no sistema nervoso e no trato gastrointestinal, bem como sequelas na visão e audição.

Geralmente não é fácil interromper um parto prematuro; todavia, isso pode ser feito por meio da administração de fármacos que auxiliam no relaxamento da musculatura uterina para que não ocorram contrações uterinas. O objetivo é retardar o trabalho de parto por, no mínimo, até o momento em que possam ser utilizados medicamentos que aceleram a maturação pulmonar do feto.

Este tratamento costuma ser feito nos casos de gestações com menos de 34 semanas. Contudo, caso a gestação tenha mais do que 34 semanas e/ou a saúde da mãe e do filho corram perigo, o parto prematuro deve ser realizado.

Para a prevenção da ocorrência do parto prematuro, deve-se realizar um acompanhamento pré-natal, bem como interromper o uso de tabaco e outras drogas.

Fontes:
http://brasil.babycenter.com/pregnancy/parto/ameaca-prematuro/
http://boasaude.uol.com.br/lib/ShowDoc.cfm?LibDocID=4967&ReturnCatID=487
http://www.copacabanarunners.net/parto-prematuro.html
http://www.medclick.com.br/gravidez/parto-prematuro-sinais-sintomas-causas-tratamentos.html