Complexo do Alemão

Por Fernando Rebouças
Nos jornais e nos noticiários, quando assunto é a questão social e de violência urbana na cidade do Rio de Janeiro, o “morro do Alemão” ou o “complexo de Alemão” (região que reúne 13 favelas circunvizinhas) sempre é citado como um dos lugares mais violentos do Brasil.

A área central do complexo do Alemão é o morro do Alemão, vizinho de bairros do subúrbio carioca como Ramos, Penha, Olaria, Inhaúma e Bonsucesso. O morro do Alemão foi reconhecido oficialmente como bairro em 9 de dezembro de 1993.

O morro do Alemão foi implantado sobre a serra da Misericórdia que, no início do século XX, apresentava densa vegetação e nascente de rios e córregos que ainda seriam vistos pelos moradores até a década de 60. A construção de casebres e barracos de maneira desordenada somadas ao processo de asfaltamento de algumas ruas foram as principais causas do assoreamento e aterramento dos rios em galerias subterrâneas.

Nos anos de 1920, as terras da serra da Misericórida, uma área ainda rural, foi adquira por Leonard Kaczmarkiewicz, polonês, que passou a ser chamado pelos moradores da época de “alemão”, daí o termo “morro do Alemão”, muitos desses moradores trabalhavam para o Curtume Carioca que lá existia. A ocupação e construção de moradias só aconteceria a partir dos anos 1950, quando Kaczmarkiewicz resolveu repartir seu estenso terrenos em pequenos lotes para vender.

A partir dos anos 1940, por meio da abertura da Avenida Brasil, aquela região passou a significar um importante polo industrial que atraiu fábricas, comércio e moradias desordenadas. A partir dos anos 197º e 1980, com a saída de algumas empresas e o crescimento dos bairros, a situação social e arquitetônica no complexo do Alemão e nas comunidades ao redor da Avenida Brasil já se encontravam em nível descontrolável, possibilitando o crescimento do tráfico e da violência na região.

A partir dos anos 1990, o tráfico de drogas na cidade do Rio de Janeiro passou a se fortalecer financeiramente e bélicamente, gerando várias facções armadas em comunidades periféricas que mantinham a ordem e a autoridade policial distanciada pelo poder de fogo e financeiro de contraventores e traficantes. O complexo do Alemão passou a ser um dos principais pontos de venda de drogas e de prática de violência.

Até o ano de 2010, a região ainda registrava 40% dos crimes da cidade do Rio de Janeiro, mas, a partir de ações policiais, mais especialmente, do BOPE, as autoridades em âmbito federal e estadual iniciaram planos de mudanças em diversas comunidades do Rio, como as obras do PAC e as UPP´s (Unidade de Polícia Pacificadora), incluindo ações de enfrentamento policial também no complexo do Alemão, como ocorreu em dezembro de 2010, numa frente formada pela Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Federal e Forças Armadas na Vila Cruzeiro e no morro do Alemão, em retaliação a uma onda de terrorismo urbano desencadeado por traficantes incomodados com as ações das UPP´s.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Complexo_do_Alem%C3%A3o
http://topicos.estadao.com.br/noticias-sobre-complexo-do-alemao,3