Doação de Sangue

Por Thais Pacievitch
Doação de Sangue é um ato de amor, mas também de muita responsabilidade.

Doação de sangue. Foto: Vasin Lee / Shutterstock.com

Doação de sangue. Foto: Vasin Lee / Shutterstock.com

Os lugares onde o sangue doado é armazenado e testado para que sejam posteriormente utilizados são chamados de bancos de sangue. A necessidade de existirem os bancos de sangue acontece pelo fato de não existir nenhuma substância artificial que o substitua o sangue. Portanto, os procedimentos médicos que requerem transfusão de sangue dependem dos bancos de sangue para que possam ser realizados. São exemplos de casos que requerem transfusão: em acidentes, recém-nascidos com problemas, durante tratamento de câncer, em cirurgias, para repor células destruídas ou mesmo não fabricadas pela medula óssea.

Um candidato a doador de sangue passa por uma avaliação médica: é feito um teste de anemia, são medidas a temperatura, a pressão arterial e os batimentos cardíacos. O candidato a doador então responde a um questionário com perguntas minuciosas em relação a sua saúde e seu comportamento. A sinceridade do possível doador é essencial para que o sangue coletado seja um sangue seguro.

Todo o sangue coletado passa por uma série de testes para se detectar alguma das doenças transmissíveis. Porém, o que ocorre é que existe um período no qual o sangue de um doador contaminado com o vírus do HIV I/II ou Hepatite C e B, ao ser testado, dá resultado negativo. A esse período deu-se o nome de janela imunológica. Por isso a necessidade da sinceridade ao responder ao questionário.

A quantidade de sangue doado é de aproximadamente 450 ml. Os doadores homens podem doar sangue a cada 60 dias, e as mulheres a cada 90 dias. Para ser um doador existem algumas condições:

  • Ter boa saúde.
  • Apresentar documento de identidade.
  • Estar na faixa de 18 a 65 anos de idade.
  • Ter peso acima de 50 kg.
  • Não estar amamentando, ou grávida.
  • Não estar gripado ou resfriado.
  • Não ter tido doenças como Sífilis, Malária, Doença de Chagas, Hepatite, e nem ter AIDS.

Não estar, ou ter estado exposto a fatores de risco como uso de drogas, ter vários parceiros sexuais ou ter parceiro portador do vírus da AIDS.

Em algumas outras situações a doação deve ser adiada, como quando o doador ingeriu bebida alcoólica nas últimas 24 horas, fez uso de algum medicamento (depende do tipo de medicamento), quando passou por parto normal nos últimos 90 dias, ou por cesariana nos últimos 180 dias, quando houve extração dentária nas últimas 72 horas, sofreu transfusão de sangue ou fez tatuagem no último ano.

A doação é feita com materiais descartáveis. Após a retirada do sangue, o doador recebe um lanche para evitar que sinta fraqueza. Alguns cuidados devem ser tomados após a doação, como: aumentar a ingestão de líquidos, não fumar por 2 horas, não ingerir bebidas alcoólicas e não fazer esforço físico por 12 horas.

Alguns desconfortos passageiros podem acontecer após a doação, como: hematoma no local, dor e dificuldade de mover o braço, queda de pressão, tontura, náuseas e vômito.

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, doar sangue não emagrece, não afina nem engrossa o sangue. A quantidade de sangue doada é rapidamente reposta pelo próprio organismo.

Fontes
Inca. Instituto Nacional do Câncer. Acessado em 20 de abr. de 2008. Disponível em: http://www.inca.gov.br/conteudo_view.asp?ID=119