Praça Roosevelt

Por Felipe Araújo
Localizada na região central da cidade de São Paulo, a Praça Roosevelt fica próxima a locais de grande ebulição cultural na capital, entre a Rua Augusta e a Rua da Consolação. Sua inauguração ocorreu durante os anos 60, quando foi elaborado e desenvolvido um projeto arquitetônico sobre uma passagem subterrânea que fica entre a Ligação Leste-Oeste e o Elevado Costa e Silva.

A história do local remete ao século XIX, quando a dona do lugar onde atualmente encontra-se a praça era Veridiana Valéria da Silva Prado, mulher da alta sociedade e de profunda influência na vida cultural paulista. Ela possuía um sobrado localizado ao lado da Igreja da Consolação. Ao fim da década de 1880, Dona Veridiana começou a construir um palacete na área de Higienópolis. Assim, a chácara onde morava começa a ser habitada, originando ruas e, após algum tempo, formando a Praça da Consolação.

Na década de 1960, o então prefeito da cidade de São Paulo, José Vicente Faria Lima, decidiu construir um conjunto arquitetônico no local. O projeto contemplava um conjunto educacional e um centro cultural com capacidade para 2 mil pessoas em um auditório. O responsável pela realização foi Roberto Coelho Cardozo, professor da FAUUSP nascido em Portugal.

Naquela época, a Praça Roosevelt configurava-se com duas estruturas de concreto de grande porte. Porém, no período de sua inauguração, a praça sofreu críticas severas da mídia paulistana. As publicações afirmavam que o projeto tinha excesso de concreto e falta de verde, além de possuir escadas, construções e becos em exagero. Com o tempo, a praça tornou-se um ponto desocupado da capital paulista, sofrendo um processo de degradação que a levou a qualificação de “ociosa” no ano de 2010.

A partir dos anos 80, com o insucesso dos estabelecimentos comerciais ao redor da praça, o processo de degradação intensificou-se. Nos anos 90, o local é considerado um dos mais feios da cidade. A Praça Roosevelt é invadida por moradores de rua procurando abrigo e torna-se um local propício para que viciados pudessem utilizar drogas.

Em 2000, o grupo de teatro “Os Satyros” chega à praça em uma tentativa de revitalizar o local com apresentações culturais. Os donos do local tiveram que disputar espaços com criminosos e, aos poucos, novos estabelecimentos comerciais de caráter cultural começam a povoar os arredores da Roosevelt.

Em 2010, é assinado um contrato de 36,8 milhões de reais para uma revitalização completa da Praça Roosevelt. Porém, as obras não começaram de imediato, tendo início apenas no mês de outubro daquele ano e com previsão de término para setembro de 2012. Após a conclusão das reformas, a reinauguração não-oficial da praça ocorreu com uma festa popular no mês de agosto de 2012.

Fontes:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Pra%C3%A7a_Roosevelt
http://www.jardimdecalateia.com.br/roberto-coelho-cardoso-e-a-praca-roosevelt-sp/
http://www.ligacaoteen.com/lifestyle/praca-roosevelt-skate-plaza/46021/
http://vejasp.abril.com.br/materia/satyrianas-2012