Lordose

Por Marcelo Oliveira
A coluna vertebral possui curvaturas por toda sua extensão, desde a região cervical até a sacrococcígea. Nas regiões cervical e lombar, essa curvatura é chamada de lordose, adquirida a medida em que o indivíduo assume a postura ereta.

Lordose. Ilustração: Alila Medical Media / Shutterstock.com

Lordose. Ilustração: Alila Medical Media / Shutterstock.com

A lordose passa a ser considerada uma deformação quando atinge um ângulo superior a 60° na coluna cervical ou está entre 40° e 60° na coluna lombar, passando a chamar-se hiperlordose, que pode estar associada a uma anteversão pélvica, no caso da lombar, ou uma proeminência da cabeça, na cervical.

A má postura é um fator importante na formação da hiperlordose, já que atinge principalmente as mulheres, acostumadas ao uso do salto e a práticas físicas como o balé. As gestantes, na tentativa de compensar o peso da barriga, jogam a coluna para trás, assumindo assim uma postura incorreta, o que faz com que a lordose torne-se acentuada, uma vez que após o parto a musculatura permanece flácida e acaba por dificultar o retorno à postura correta.

Outro vilão que leva a mulher à hiperlordose é o culto ao corpo, em especial ao bumbum. Exercícios feitos inadequadamente, com o intuito de trabalhar a região glútea, sobrecarrega a musculatura lombar.

O indivíduo com hiperlordose sente dores nas costas durante as atividades que envolvem a extensão da coluna lombar, como o ficar em pé por muito tempo, por exemplo. Como a flexão do tronco usualmente alivia a dor, o indivíduo frequentemente prefere sentar ou deitar.  O diagnóstico precoce de deformidades na coluna ajudam em muito o prognóstico, ou seja, quanto mais cedo se detectar a hiperlordose, mais fácil fica para se tratar. Exames físicos, com uma detalhada observação do paciente, complementados por radiografia são a melhor maneira de detecção.

O paciente com um estado clínico sugestivo à uma deformidade na coluna é submetido ao raio x, ficando de pé e nas posições frente, costas e perfil, de preferência com toda a coluna incluída no mesmo filme, para que assim sejam mensuradas posteriormente, em ângulos, as deformidades através da radiografia.

Como não há um tratamento específico para a hiperlordose, são recomendados, normalmente, exercícios de alongamento e a Reeducação Postural Global (RPG), podendo ser bem complementada com o uso de coletes ou palmilhas posturais caso seja necessário. Porém o tratamento serve apenas para correção postural e alívio das dores musculares.

O homem moderno é muito suscetível à hiperlordose devido ao estilo de vida por passar am maior parte de seu tempo sentado, uma posição em que os tecidos posteriores são forçados a alongarem-se em excesso, permitindo que o disco invertebral seja empurrado para trás. Esse fato se agrava com a má postura ao sentar-se, não apoiando as costas de maneira correta, ou simplesmente por utilizar cadeiras sem encosto.

Para esses casos é recomendada a prática de exercícios que fortaleçam os músculos extensores, e assim recriar a lordose fisiológica ou original.

Fontes:

  • <http://www.ortopediadupe.com.br/dicas_de_saude.php?conteudo=134> . Acesso em 06 de janeiro de 2010
  • <http://www1.unimed.com.br/nacional/bom_dia/saude_destaque.asp?nt=1756>. Acesso em 06 de janeiro de 2010
  • <http://www.magnaspine.com.br/lordose.htm> . Acesso em 06 de janeiro de 2010
  • <http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/traumato/coluna_vertebral/desvios_coluna.htm> . Acesso em 06 de janeiro de 2010
  • <http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?163>. Acesso em 23 de fevereiro de 2010.
  • <http://www.herniadedisco.com.br/doencas-da-coluna/lordose>. Acesso em 23 de fevereiro de 2010.
  • <http://www.jewishhospital.org/myjewishhospital/img_htm/OR-15.htm>
AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.