Sexualidade do Jovem Brasileiro

Por Fernando Rebouças
Sobre o comportamento sexual do brasileiro, segundo pesquisas recentes, cerca de 86% dos jovens relataram que já “ficaram” uma vez na vida e somente 20% estavam realmente namorando "firme". Entre os mais jovens o namoro tem sido de duração mais curta, durando em média três meses.

Em 2002, segundo uma pesquisa  GRAVAD (gravidez na adolescência) realizada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e pelas federais do Rio Grande do Sul e Bahia, a iniciação sexual do brasileiro não tem ocorrido de maneira tão precoce como se pensa.

A pesquisa, na época, entrevistou 4.634 jovens de 18 a 24 anos das cidades do Rio de Janeiro, Porto Alegre e Salvador. Em média, os homens nessa faixa etária iniciaram a vida sexual aos 16,2 anos e as mulheres aos 17,8 anos.

Segundo dados da pesquisa, 29%  das mulheres disseram conhecer casos de gravidez na adolescência. A maioria dos jovens entrevistados disseram ser usuários de camisinha desde a primeira relação, mas o hábito no uso do preservativo cai conforme o relacionamento se estabiliza.

Entre as garotas, cerca de 70 % tiveram relações sexuais com parceiros fixos e entre os rapazes, 57% relataram ter experiências com mais de uma parceira. Além da camisinha, devido à falta de informação e imaturidade, somente 38% utilizaram método anticoncepcional.

Em 1986, somente 9% dos jovens usavam preservativo na primeira relação sexual. No ano de 2005, entre os jovens de 16 a 19 anos, essa taxa subiu para 65%, e 32,7% no grupo de faixa etária de 20 a 24 anos. Enquanto que as doenças sexualmente transmissíveis era mais comum entre os homens na década de 80, nos dias atuais o DST se apresenta em ambos os sexos.

Na questão referente a gravidez precoce, o Brasil ainda mantém o índice de 10% de adolescentes grávidas contra 1% de países como Holanda e França. A melhor maneira de educar a sexualidade dos jovens é implementar a educação sexual nas escolas. Meninas com menor grau de instrução e sem oportunidade profissional tendem a iniciar a vida sexual de modo arriscado e a engravidarem antes da hora planejada.

Acima do uso de álcool, drogas e da baixa informação, a desagregação familiar é um dos principais fatores da falta de prevenção sexual entre os mais jovens. Discute-se ainda na sociedade se o modismo e as interferências das mídias não têm desequilibrado o comportamento sexual do jovem brasileiro.

Fontes:
http://www.metaanalise.com.br/inteligenciademercado/inteligencia/pesquisas/sexualidade-do-jovem-brasileiro-tema-de-pesquisa.html
http://www.agencia.fapesp.br/materia/6010/entrevistas/aprendizado-da-sexualidade.htm
http://criasnoticias.wordpress.com/2010/05/24/jairo-bouer-fala-sobre-sexualidade-do-jovem-no-programa-brasil-em-debate/