Eurocentrismo

Mestre em Ciências Sociais (PUC-Rio, 2015)
Graduada em Ciências Sociais (UERJ, 2012)

Eurocentrismo diz respeito à percepção de que a Europa, sua história e suas questões, são centrais em relação ao resto do mundo. É a maneira de explicar o mundo a partir da Europa, seja através da história, da cultura ou da economia. Mas o que explica essa centralidade da Europa? O processo de modernização iniciado com o projeto iluminista.

Desde o período da colonização iniciada por Portugal e Espanha, a história do mundo é contada pelos principais marcos europeus. Um estudante desinformado pode até se confundir e pensar que primeiro veio a Europa e depois o resto do mundo, mas cada parte tem a sua história antes mesmo da chegada dos europeus. A América, a África e a Ásia possuem histórias próprias. Mas mesmo o reconhecimento disso se dava a partir do que os europeus escreviam sobre estes lugares.

Os estudos pós-colonialistas, inaugurados por Edward Said com a obra Orientalismo, que autores nativos começam a questionar de forma sistemática a visão européia sobre esses povos e sua cultura. São também eles que apontam o eurocentrismo como uma marca no modo de se pensar o mundo.

A modernidade e seu projeto de desenvolvimento, baseado na ciência e na racionalidade, colonizaram o imaginário mundial. Perceber-se sem usar essas lentes é um exercício difícil e complexo. Fazer ciência implica necessariamente em fazer ciência de acordo com o modelo crido pelos europeus. Ao questionar o lugar da Europa, questiona-se também a produção de conhecimento que ela difundiu pelo mundo, os saberes, o modelo racional e a pretensa neutralidade da ciência.

A ciência também depende de recursos financeiros e de interesses. Sendo assim, produzir conhecimento não depende de um povo mais inteligente ou não, mas sim do domínio de técnicas específicas. O modelo de educação que vai desde a escola até a universidade faz parte deste projeto. O modelo econômico que governa o mundo, também é fruto do desenvolvimento histórico da Europa e de seu domínio sobre o resto do mundo.

Como se percebe, a Europa ocupa lugar central justamente pelo poder militar, econômico e político que exerceu e exerce sobre os países e culturas mais fragilizados. Condição a que muitos foram submetidos graças ao projeto de progresso e modernidade da Europa. Não é sem motivo o fato de os países subdesenvolvidos estarem localizados ao Hemisfério Sul, o que é explicado em grande parte pelos anos de exploração e controle por parte dos países europeus.

Portanto, o Eurocentrismo é utilizado para designar a superioridade e a centralidade da Europa em relação aos demais países do mundo. Porém, essa centralidade é conferida justamente pelo poder que o continente possui, inclusive de produzir conhecimento e narrativas sobre sua história. Isto explica a história como diretamente relacionada aos feitos dos europeus.

Referências Bibliográficas:

KANTH, R. K. Against eurocentrism: a transcedent critic of modernist society, society, and morals. Discourse on humam emancipation. Palgrave, London, 2005.

Arquivado em: Sociologia