Identidade social

Mestre em Ciências Sociais (PUC-Rio, 2015)
Graduada em Ciências Sociais (UERJ, 2012)

A teoria da identidade social tem sua origem na psicologia social e busca compreender quais aspectos psicológicos unem um grupo e o que faz com que ele seja reconhecido enquanto tal por outros. Porém, esses grupos de pertencimento não são pequenos, mas em larga escala, por exemplo a identificação entre indivíduos e uma nação, uma raça ou uma religião. Grupos que podem ser influenciados por relações interpessoais, mas que não parecem se desenvolver a partir da coesão interpessoal dessas relações.

As nações, por exemplo, não se constituem da união entre indivíduos. São cultural, social e historicamente impostas aos indivíduos pela socialização e pelo consenso que satisfaz ou não as necessidades individuais (TURNER, 1977, 520). Porém, apesar dos sacrifícios, das divisões, das diferentes questões, próprias dos indivíduos de uma nação, existe algo que cria um critério de identidade. Esse algo é denominado “designação externa”, ou seja, quando a união entre as pessoas de um grupo não se faz pela vontade de se unirem, mas porque são tratados de forma homogênea por outros.

Os estudos realizado por John C. Turner buscavam compreender que mecanismos psicológicos fazem com que as pessoas formem uma identidade de grupo, uma identidade social. A hipótese básica era a de que o comportamento do grupo dependia dos efeitos psicológicos da categorização na percepção e definição individuais. Esses estudos buscavam compreender os efeitos do preconceito, dos esterótipos, da categorização, dos acordos internos dos grupos sobre os indivíduos fomentando sua união ou separação.

As conclusões indicavam que as percepções pessoais são fortemente influenciadas pelas categorias impostas por atores e agentes externos. Essas categorias não só alteram a percepção como influenciam a atração dos indivíduos entre si e em relação ao grupo que pertencem ou não.

Segundo Peter Burke “a teoria da identidade social é uma teoria da psicologia social no campo da sociologia e atenta para o entendimento das identidades, suas fontes na interação e na sociedade, seus processos de operação e suas consequências para a interação em sociedade” (BURKE, 2009). Basicamente, a pergunta que sociólogos e psicólogos se questionam é: o que quer dizer ser o que você é?

Uma identidade é o conjunto de significados que define alguém enquanto desempenha algum papel em particular em uma sociedade. Por exemplo, uma pessoa pode ser em seu ambiente de trabalho médico, mas no âmbito familiar pode ser um irmão e pai. Logo, as pessoas possuem múltiplas identidades porque pertencem a diferentes lugares, desempenham diferentes papéis e são um complexo de características.

Compreender o que constitui uma identidade social é buscar interpretar como essas múltiplas identidades se relacionam em cada indivíduo, como essas identidades se relacionam com o comportamento, pensamentos e emoções e como essas identidades se relacionam com o todo, com a sociedade (BURKE, 2009, p. 3).

Sendo assim, essa teoria busca de fato relacionar indivíduo e sociedade, percebendo-os como mutuamente influenciáveis. O indivíduo não é apenas receptor das coerções da sociedade e a sociedade não é uma coleção de indivíduos. Portanto, as características individuais são um complexo formado pelas influencias da sociedade e pelas escolhas individuais. Ao mesmo tempo essa mesma sociedade não é uma construção abstrata incausável, mas é fruto do conjunto de ações destes indivíduos. As teorias sobre identidade social buscam justamente compreender como acontece este entrelaçamento.

Referências Bibliográficas:

BURKE, P. J.; STETS, J. E. Identity theory. Oxford University Press, New York, 2009.

TURNER, J. C. Social identification and psychological group formation. In: TAFJEL, H (org.). The social dimension: European developments in social psychology, vl. 2. Cambridge University, 1977.

Arquivado em: Sociologia