Imigração clandestina

Mestre em Ciências Sociais (PUC-Rio, 2015)
Graduada em Ciências Sociais (UERJ, 2012)

A imigração clandestina é o processo em que pessoas de um determinado país entram em outro de forma voluntária e sem se apresentarem aos órgãos estatais responsáveis pela migração. Por isso, as leis de migração são violadas e o estrangeiro que as comete são considerados clandestinos justamente por não constarem enquanto estrangeiros dentro do país em que entraram. A imigração clandestina acontece por todas as formas de entrada de um país, seja pelas fronteiras áreas, por água ou terrestres.

Embora seja diferente do refúgio, pois este último implica em uma fuga provocada pelas condições do país de origem, como uma guerra ou perseguição política a grupos específicos, a imigração ilegal também implica em problemas sociais. Comumente os imigrantes clandestinos são vítimas de trabalho escravo e de situações de extrema vulnerabilidade, como a prostituição e a exploração infantil. Convém também diferenciar emigração e imigração. O primeiro se refere ao movimento de saída de pessoas de um país para outro, enquanto imigração diz respeito ao movimento de chegada em um novo país.

O fluxo de imigração clandestina se estabelece principalmente dos países em desenvolvimento para os países desenvolvidos. Um exemplo clássico desse tipo de imigração se dá entre o México e os Estados Unidos. A fonteira entre os dois países é muito utilizada para a passagem de imigrantes ilegais de toda a América Latina para os Estados Unidos. Durante os anos 1990, por exemplo, um dos principais fluxos de imigração clandestina se dava entre Cuba e Estados Unidos. Outro fluxo comum acontece entre as ex-colônias e os países que as colonizaram, por exemplo entre diversos países africanos e países da Europa. Atualmente um importante fluxo migratório acontece nos países asiáticos entre si, para austrália e para os EUA.

Os fluxos migratórios demonstram que muitos são os motivos relacionados com a imigração ilegal, mas que ela está diretamente associada com as desigualdades sociais. Para muitas pessoas de países pobres ou em desenvolvimento a imigração surge como uma possibilidade de mudança de vida, mesmo que implique em condições de vida piores ou não muito diferente das que vivem em seus lugares de origem.

Fato é que existem incontáveis motivos para que uma pessoa decida imigrar ilegalmente. Pode partir de uma decisão pessoal, uma aventura, até fatores relacionados com o ambiente onde imigrante vive. Os imigrantes se movem por questões econômicas, pela situação política de seus países, por desespero, por esperança.

A sociologia vem durante muito tempo estudando o fenômeno da imigração. Autores da Escola de Chicago realizaram importantes trabalhos sobre comunidades de imigrantes nos Estados Unidos. Alguns desses trabalhos buscavam relacionar a violência com a presença de imigrantes e as consequências da imigração, como a pobreza. Uma das características dos imigrantes ilegais é formarem comunidades nos novos lugares onde chegam. Esta é uma maneira de manter sua identidade, de encontrar redes de proteção, aumentar as chances de encontrar emprego e de evitar a hostilidade de um novo país, cultura e povo.

É importante ressaltar que no mundo atual, com a facilidade das viagens, com o enorme fluxo de mercadorias, de trocas de todos os tipos e entre os mais diversos lugares do mundo, as pessoas são cada vez mais cerceadas do seu direito de ir e vir. Migrar, emigrar, imigrar envolve assumir riscos cada vez maiores e perigos incontáveis.

Referências Bibliográficas:

KIVISTO, P.; FAIST, T. Beyond a border: the causes and consequences of contemporary immigration. Pine Forge Press, New York, 2010.

Arquivado em: Sociologia