Tipos de Socialismo

Por Fernando Rebouças
Socialismo utópico
As idéias do socialismo utópico foram desenvolvidas na primeira metade do século XIX, tinham propostas delineadas por mudanças sociais já muito desejadas na época, para construir uma sociedade justa e igualitária. Porém, ao mesmo tempo em que expressava os seus “sonhos” de sociedade, não descrevia quais meios e ferramentas seriam necessárias para alcançar tais conquistas.

Autores do socialismo utópico :

* Charles Fourier – Idealizou a construção de “falanstérios”, onde proprietários, operários e capitalistas colocariam a propriedade e a força de trabalho sob posse e usufruto comum a todos;

* Robert Owen – Proprietário de várias fábricas, construiu casas para seus funcionários, concedeu participação nos lucros da sua empresa, reduziu a jornada de trabalho para 10,5 horas, fundou escolas, e tinha a proposta de organizar a sociedade e m cooperativas de operários. Ficou reconhecido como um “patrão esclarecido”;

* Louis Blanc – Segundo Blanc, o Estado deveria interferir na economia e na sociedade. Planejava criar oficinas nacionais para associar trabalhadores sem a concorrência de empresas;

* Saint-Simon – O conde Saint-Simon desejava planificar a economia e beneficiar as classes trabalhadoras focando a indústria a atender os mais pobres.

Socialismo científico ou marxista
Contra as idéias utópicas, Karl Marx (1818-1883) e Friedrich Engels (1820-1895) escreveram a teoria socialista, buscavam estudar primeiro o capitalismo em suas origens, a sua acumulação de capital e produção sob os aspectos de suas contradições. Enquanto que os utópicos estudaram somente a idealização da sociedade perfeita. Segundo Marx e Engels, o socialismo seria uma etapa intermediária entre o capitalismo e o comunismo.

Socialismo nos dias atuais
Depois da queda do muro de Berlim e da dissolução da URSS, os paises comunistas foram pouco a pouco se dissociando de suas políticas e governos de “bandeira vermelha”, as economias planificadas consideradas ,até a década de 80, de segundo mundo, passaram a ser elaboradas em estudos geográficos e conjunturais como economias de transição, ou seja, tiveram que abrir o mercado ,antes estatizado, para a participação da iniciativa privada, durante uma década de 90 marcada pelos emblemas do neoliberalismo, que defendia a inexistência de propriedades e produção estatal.

A China é um raro exemplo de país que manteve base políticas comunistas, mas que abriu o seu mercado com vigoroso sucesso, enquanto que países como Cuba e Coréia do Norte fizeram um processo de abertura muito tímido. Por outro lado, entre o século XX e os anos 2000, percebeu-se um aprofundamento de valores sociais em toda sociedade global, idéias e ações socialistas foram sendo anexadas aos países capitalistas através de conquistas trabalhistas e exigências que surgiram entre situação demográfica e traços sócio-econômicos. Podemos dizer em pleno século XXI, que não há economia sem ações sociais que invistam no ser humano, e socialismo perfeito sem mercado.

Fontes
História 2 – Ricardo – Adhemar e Flávio. Ed. Lê
História Geral- ed. Atlas