Leonardo Fibonacci

Bacharel em Matemática (FMU-SP, 2018)
Mestre em Física Teórica (UNICSUL, 2020)

Leonardo Fibonacci, também conhecido por Leonardo de Pisa, foi um matemático italiano nascido no ano de 1170, sem uma data precisa de seu nascimento. Foi considerado o primeiro grande matemático europeu da idade média.

Fibonacci era filho de um rico e influente mercador de Pisa, cidade onde nasceu. Numa das viagens a trabalho de seu pai, Fibonacci conheceu os números hindu-arábicos e a aritmética quando ainda era uma criança, tal descoberta foi mais tarde documentada em sua primeira obra, o livro Liber Abaci de 1202, com a frase: “Os números indianos são 9 8 7 6 5 4 3 2 1. Com esses nove algarismos, e com o símbolo 0 qualquer número pode ser escrito”. Tal obra foi responsável por apresentar à Europa o sistema numérico indiano, que usamos até hoje.

Sob influência do trabalho de seu pai, Fibonacci viveu grande parte de sua vida em contato com o comercio, o que possibilitou muitas viagens e contatos com diversos estudiosos muçulmanos do mediterrâneo. Sua carreira como matemático entra em ascensão ao retornar para a Itália em 1200. Fibonacci, após ter solucionado alguns problemas matemáticos propostos pela corte do imperador Frederico II, alcançou a fama. Fibonacci então publica ao todo 6 livros durante sua vida, sendo eles tratados sobre álgebra, geometria, aritmética e trigonometria, publicou também uma obra contendo comentários sobre o décimo livro da coleção Os Elementos, de Euclides.

Dentre as inúmeras contribuições de Fibonacci, destaca-se a famosa sequência de Fibonacci. Contribuição esta que deu origem a muitas pesquisas sobre padrões numéricos e geométricos presentes na natureza. Esta sequência possibilita a construção da famosa figura, a Espiral de Fibonacci, que aparece quando construímos uma série de quadrados cujos lados são os números da Sequência de Fibonacci:

(1, 1, 2, 3, 5, 8, 13, 21, 34, 55, ... )

Com isso temos que cada quadrado abaixo possui um número indicando quanto vale a medida do seu lado que coincide com a sequência de Fibonacci. Construindo então, a espiral:

Após o ano de 1228, não é possível encontrar noticias sobre o matemático com exceção de uma remuneração paga à Fibonacci pela República de Pisa em reconhecimento por serviços prestados à cidade e por suas contribuições valiosas para a contabilidade da República e de seus interesses. Fibonacci morre no ano de 1250, na cidade de Pisa.

Leia também:

Referências bibliográficas:

BOYER, Carl B. História da Matemática. São Paulo: Blucher, 2012.

ROQUE, Tatiana. História da Matemática – Uma visão crítica, desfazendo mitos e lendas. São Paulo: Zahar, 2012.

ROONEY, Anne. A História da Matemática. São Paulo: M. Books do Brasil Editora, 2012.

Arquivado em: Biografias, Matemática