Peter Zumthor

O arquiteto Peter Zumthor nasceu na cidade de Basiléia, na Suíça, em 1943. Descendente de um artífice da marcenaria, ele cresceu procurando seguir os passos paternos, atento às qualidades dos móveis e à importância dos detalhes. Embora fosse desejo do pai que o filho prosseguisse à frente de seus negócios, ele optou por seguir outra direção.

Em 1963 o futuro arquiteto ingressa na Schule Für Gestaltung Basel e três anos depois ele se transfere para a Pratt Institute, em Nova York, instituto no qual ele cursa Arquitetura e Design. No começo de sua trajetória profissional Peter angaria experiência atuando em inúmeras obras de reparação arquitetônica, obtendo assim uma ampla vivência com matéria-prima rústica e metodologias que lhe permitiriam, posteriormente, assumir projetos de cunho modernista.

Zumthor permaneceu durante vários anos, a partir de 1968, servindo como arquiteto no Departamento de Manutenção e Preservação de Monumentos do Cantão de Graubüngen, na Suíça. Além desse trabalho, atuou também na esfera acadêmica, imprimindo aí uma presença significativa, ministrando aulas em diversas Academias, como a Universidade de Zurique, em 1978; a Southern California Institute of Architecture, na cidade de Los Angeles, nos Estados Unidos, em 1988; na Technische Universität de Munique, na Alemanha, em 1989; na Tulane University, em Nova Orleans, nos EUA, em 1992; e na Academia de Arquitectura de Mendrisio, da Universitá della Svizzera Italiana, em 1996, entre outras.

Em 1979 o premiado arquiteto deu impulso a uma trajetória profissional autônoma, criando o próprio Atelier, que seria inaugurado em 1985, na cidade de Haldenstein, na Suíça. Neste ano ele também elabora um refúgio protetor em torno das minas romanas, localizadas no sítio arqueológico de Chur, igualmente na Suíça.

Esta obra expõe uma profunda interação entre a tradição passada e a modernidade atual. Para alcançar este resultado, Peter retrata o estilo geométrico muito comum antigamente, mas, ao invés de optar por uma mera cópia deste padrão, ele prefere recorrer a um arcabouço de madeira recoberto por chapas delgadas constituídas pela mesma matéria-prima. Desta forma o arquiteto revela a tão almejada relação entre o que pertence ao mundo externo e o que se encontra no interior.

Outra concepção famosa é a Capela de São Benedito, edificada em Sumvitg, na Suíça. Ela foi concebida como um torreão inserido em uma montanha, totalmente construída em madeira, intencionalmente assumindo a imagem de uma lágrima. Ela induz as pessoas, assim, a uma profunda meditação. No princípio dos anos 90 Zumthor projeta as célebres termas de Vals, entregue em 1996.

Peter Zumthor é hoje um dos arquitetos mais premiados e respeitados. Ele busca em sua obra, acima de tudo, uma visão de mundo permeada por intensa sensibilidade e simplicidade. Para ele é essencial o diálogo com o discurso transmitido pela matéria e por todos os fatores que compõem a obra arquitetônica, mais do que a preocupação com aspectos formais.

Zumthor integra, a partir de 1994, a Academia das Artes, em Berlim, capital alemã. Dois anos depois ele se torna membro honorário da Bund Deutscher Architekten - BDA -, Associação Alemã de Arquitetos. Atualmente ele continua em plena atividade criativa, projetando incessantemente obras de grande importância.

Fontes
http://www.experimentadesign.pt/2009/warm-up/pt/0403.html
http://www.educatorium.com/projetos/projetos_biografias_int.php?id_projetos_biografias=32
http://www.infopedia.pt/$peter-zumthor

Arquivado em: Arquitetura, Biografias