Apomixia

Doutorado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente (Instituto de Botânica-SP, 2012)
Mestrado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente (Instituto de Botânica-SP, 2007)
Graduação em Ciências Biológicas (Universidade de Guarulhos, 2003)

Apomixia é um tipo de reprodução assexuada onde a formação de sementes ocorre sem fecundação, ou divisão meiótica. O termo apomixia tem origem grega e apo significa separado, longe; enquanto mixis significa mesclar. O termo agamospermia pode ser utilizado como sinônimo de apomixia e utilizado pelos especialistas na área da Botânica, cujo significado é a formação de sementes sem fecundação.

As plantas atuais que produzem sementes são conhecidas como plantas vasculares, àquelas que produzem tecidos especializados, como xilema (ou lenho) que conduz água e minerais da raiz às partes superiores das plantas e floema (ou líber), que transporta substâncias orgânicas pelo corpo das plantas oriundas da fotossíntese, a partir das folhas e outras estruturas fotossintetizantes.

As plantas vasculares estão representadas pelos grupos referidos didaticamente como gimnospermas (ou plantas com sementes) e angiospermas (ou plantas com flores). As gimnospermas cerca de 840 espécies registradas, enquanto que as angiospermas possuem aproximadamente 300 mil espécies. Segundo a história evolutiva (filogenia) dos grupos, não há evidências suficientes para comprovar que as plantas agrupadas em gimnospermas possuam um ancestral comum (monofiletismo). Para angiospermas há mais dados que confirmam a monofilia do grupo e, portanto, os especialistas da área confirmam a existência para um ancestral comum.

A reprodução em plantas vasculares possui um ciclo de alternância de gerações heteromorfas, ou seja, um ciclo com duas fases, uma representada pelo gametófito (haploide), cuja finalidade é a produção de gametas e outra representada pelo esporófito (diploide), que produz esporos. Estas fases alternam-se e são distintas, então a referência heteromorfa. O tipo de fecundação é oogâmica, onde há o encontro de células reprodutivas haploides representadas por estruturas específicas, que dependem do tipo de grupo, gimnospermas ou angiospermas. Contudo, quando ocorre apomixia ou agamospermia não há fecundação e troca de material genético por meio de divisão meiótica e as sementes são produzidas iguais à planta que as originou (planta-mãe), sendo este um tipo de clonagem.

A utilização da apomixia pode trazer inúmeros benefícios à agricultura, porém é necessário que se entenda como este processo ocorre para cada planta e, então, inúmeras pesquisas são realizadas por especialistas na área da biologia vegetal. Ao entender o mecanismo da apomixia em diferentes espécies de plantas é possível utilizar a clonagem de sementes usando técnicas em biotecnologia. E, ainda, os estudos podem se estender usando plantas híbridas. Algumas técnicas para estudos com plantas apomíticas compreendem o melhoramento genético, fertilização in vitro e in vivo, cultura de tecidos e transformação genética, identificação, caracterização molecular e genômica.

Os benefícios à sociedade estão relacionados com a qualidade e o custo benefício dos alimentos. A EMBRAPA (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) utiliza e defende o método da apomixia como um processo vantajoso tanto para quem produz como para aqueles que consomem.

Bibliografia recomendada:

http://tolweb.org/Eukaryotes/3 (consultado em setembro de 2018)

https://www.embrapa.br/documents/1355163/1994475/fold06-21_apomixia.pdf/f2abf946-8e62-4d63-b302-2009997722e6 (consultado em setembro de 2018)

http://www.fepagro.rs.gov.br/upload/1398891031_art_17.pdf (consultado em setembro de 2018)

https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/CAST/article/viewFile/1177/972 (consultado em setembro de 2018)

https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/12453/1/EmbriologiaApomixiaPoliembrionia.pdf (consultado em setembro de 2018)

Evert, R.F. & Eichhirn, S.E. 2014. Raven/ Biologia Vegetal. 8ª edição, Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 856p.

Judd, W.S., Campbell, C.S., Stevens, P.F. & Donoghue, M.J. 2009. Sistemática vegetal: um enfoque filogenético. Artmed, 3ª. edição, Porto Alegre, RS. 632p.

https://www.embrapa.br/documents/1355163/1994475/fold06-21_apomixia.pdf/f2abf946-8e62-4d63-b302-2009997722e6