Briófitas (Filo Bryophyta)

Neste grupo estão as briófitas classificadas como musgos. O filo Bryophyta é composto por três classes: Sphagnidae, Andreaidae e Bryidae.

Classe Sphagnidae

Briófitas do gênero Sphagnum. Foto: FotograFFF / Shutterstock.com

Briófitas do gênero Sphagnum. Foto: FotograFFF / Shutterstock.com

Existem cerca de 300 espécies descritas que ocorrem em todo o mundo, habitando principalmente locais úmidos. Nesta classe existe apenas um gênero, chamado Sphagnum.

Esses organismos possuem ramos especiais na extremidade superior do gametófito, onde ocorre a reprodução sexuada, pois neste local estão os arquegônios e os anterídios.

A reprodução sexuada ocorre por fragmentação, regenerando novos gametófitos.

A dispersão de esporos ocorre da seguinte forma: os esporos ficam dentro da cápsula, que possui uma tampa chamada opérculo e fica sobre uma haste chamada pseudopódio. Quando a haste seca ocorre várias modificações na pressão do ar em seu interior, fazendo com que a tampa se desprenda e os esporos sejam eliminados com o ar.

As algas do gênero Sphagnum são muito importantes no ciclo do carbono, armazenando bilhões de toneladas de carbono orgânico. Também possuem função anti-séptica e resistência à decomposição, devido à composição da sua parede celular.

Classe Andreaeidae

  • Gênero Andreaea: Existem cerca de 100 espécies descritas, que habitam rochas de regiões árticas e montanhosas,
  • Gênero Andreaeobryum: a morfologia deste grupo é um pouco incomum, pois tanto os rizóides quanto o protonema possuem duas camadas de células ao invés de uma. Habitam a região que compreende o Canadá, na sua região noroeste e a parte adjacente do Alasca.

Classe Bryidae

Musgos são representantes das Briófitas. Foto: tomoki1970 / Shutterstock.com

Musgos são representantes das Briófitas. Foto: tomoki1970 / Shutterstock.com

As briófitas deste grupo assemelham-se muito com algas verdes de talo filamentoso, pois seu talo é composto de uma fileira de células, porem suas paredes celulares são inclinadas.

Os musgos desta classe são os musgos verdadeiros. Muitos apresentam hadroma, que é um tecido especial para condução e suas células condutoras de água chamam-se hidróides. Alguns gêneros apresentam leptóides, que são células condutoras de alimento.

O gametófito sustenta o esporófito, sendo este inserido no ápice do gametófito pelas células do pé.

A cápsula possui estruturas que lembram dentes, chamadas peristônio, que expõem os esporos ao ambiente. Quando jovem, a cápsula é protegida pela caliptra, que ao cair expõe a cápsula e o opérculo ao ambiente.

A reprodução assexuada ocorre por fragmentação.

Os musgos habitam locais muito restritos como determinadas florestas. Alguns invertebrados dependem dos musgos para a reprodução.