Costelas

Graduação em Fisioterapia (Faculdade da Serra Gaúcha, FSG, 2014)

As costelas são estruturas responsáveis pela proteção e estruturação da região torácica. São ossos em forma de semiarco que fazem conexão com um osso central denominado esterno, formando assim uma grande caixa para a proteção de órgãos como os pulmões e rins. Consiste em um arcabouço formado por 12 pares de ossos. Esses ossos são classificados em três grupos principais:

  • Costelas verdadeiras: divididas em sete pares que se articulam diretamente ao esterno através das cartilagens costais;
  • Costelas falsas: divididas em três pares que se articulam de forma indireta ao esterno, conectando-se assim também pelas cartilagens costais, estando estas unidas através da sétima costela.
  • Costelas flutuantes: divididas em dois pares, são costelas falsas que não se articulam com o esterno e permanecem livres, servindo como origem e inserção de estruturas musculares e protegem órgãos como rins e parte do fígado. Articulam-se apenas às vértebras T11 e T12.

Nomes dos principais ossos da caixa torácica. Ilustração: solar22 / Shutterstock.com

As costelas, juntamente com o esterno (osso localizado na região média do tronco) e cartilagens costais formam um dos maiores elementos de sustentação do corpo quando se fala em estruturas anatômicas. Os arcos costais fixam-se na coluna torácica, formando assim o que chamamos na anatomia de caixa torácica. As costelas encontram-se fixadas junto às doze vértebras torácicas, protegendo assim órgãos importantes para o funcionamento do organismo. Cada uma das costelas articula-se diretamente à vértebra correspondente, ou seja: o primeiro par articula-se à vértebra T1, o segundo par articula-se à T2, e assim sucessivamente.

As cartilagens costais são componentes importantes na composição estrutural das costelas, pois auxiliam na mobilidade da caixa torácica como um todo. Como os primeiros sete pares de costelas alojam principalmente os pulmões e coração, é necessário que a caixa possua mobilidade para que ocorra a expansibilidade durante a fase inspiratória da respiração. São compostas basicamente por cartilagem hialina, representando as articulações esterno-costais (da 1ª à 7ª costela), condro-costais (da 8ª à 10ª) e são classificadas como anfiartrose devido aos movimentos respiratórios.

As costelas também são consideradas estruturas de grande importância na origem e inserção da musculatura do diafragma. Esse músculo tem grande importância na anatomia, sendo responsável pela divisão da cavidade torácica da cavidade abdominal, bem como é considerado o principal músculo envolvido no processo da respiração. É considerada uma lâmina músculo-fibrosa curvada, em forma de cúpula, estando fixada em três porções: esternal, costal e lombar. A forma de inserção dessa musculatura facilita a mobilidade das estruturas ósseas e cartilaginosas durante a respiração, facilitando assim a expansibilidade e a manutenção do posicionamento de cada uma das estruturas envolvidas.

A caixa torácica protege órgãos tanto da região de tronco superior quanto de região superior de abdômen. A região de tórax (tronco superior) protege órgãos vitais como: pulmões e coração. Já a região superior do abdômen aloja os seguintes órgãos protegidos pelas costelas: fígado, rins, pâncreas, estômago e baço.

Os doze pares de costelas articulam-se diretamente às vértebras torácicas, estando em contato com o corpo vertebral e o processo transverso de cada uma das 12 vértebras. As costelas possuem algumas particularidades estruturais que as tornam diferenciadas das demais estruturas. A primeira costela possui algumas particularidades, como: cabeça da costela, colo da costela, sulco da artéria subclávia, tubérculo do músculo escaleno anterior, sulco da veia subclávia. Já da segunda à décima segunda costela encontramos as seguintes estruturas: cabeça da costela (articula-se com as vértebras torácicas), fóvea da cabeça da costela, colo da costela, tubérculo da costela, fóvea do tubérculo da costela, ângulo costal. Na diáfise óssea da costela ainda podemos observar a face interna, face externa, borda superior, borda inferior e o sulco costal, onde geralmente passam duas veias, uma artéria e um nervo intercostal.

Leia também:

Referências

NETTER, Frank H.. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

TORTORA, Gerard J. Corpo Humano – Fundamentos de Anatomia e Fisiologia. Porto Alegre. 4ª ed. Artmed Editora. 2000.