Doença do carrapato

Mestre em Ciência Animal (UFG, 2013)
Graduada em Medicina Veterinária (UFG, 2010)

As hemoparasitoses ou doenças transmitidas pela picada do carrapato são enfermidades que afetam tanto os animais de companhia, quanto os de produção, com consequências severas para a saúde do indivíduo, podendo causar até a morte. As condições climáticas do Brasil favorecem o ciclo reprodutivo do vetor, o que torna a sua eliminação praticamente impossível.

O carrapato infectado transmite o hemoparasita por meio da inoculação de seu aparelho bucal, na derme do hospedeiro vertebrado, durante seu repasto sanguíneo. Nesses, os hemoparasitos podem invadir as células sanguíneas da série vermelha ou branca, de acordo com sua especificidade. Além disso, alguns desses microorganismos provocam enfermidades secundárias, devido a disseminação de imunocomplexos para outros órgãos ou por tropismo.

Os parasitas do gênero Babesia spp. são transmitidos pelo carrapato Rhipicephalus e acometem cães, equinos, suínos, ruminantes e também o homem. Eles podem infectar os eritrócitos circulantes do sangue periférico ou os capilares de diferentes órgãos, como cérebro, baço e fígado, o que leva a formação de trombos. A patogenia da doença relaciona-se à anemia hemolítica, desencadeada pelo rompimento dos glóbulos vermelhos, em consequência da multiplicação do agente. Secundariamente ocorre a liberação da hemoglobina, que gera hemoglobinúria e bilirrubinemia. Os animais acometidos apresentam anemia, apatia, anorexia, febre, emagrecimento, palidez das mucosas, hepatoesplenomegalia e, em casos de parasitemia da vasculatura do sistema nervoso, há ainda incoordenação motora, paralisia, tremores musculares e agressividade.

Carrapato da espécie Rhipicephalus sanguineus. Foto: Sarah2 / Shutterstock.com

Os agentes etiológicos da família Anaplasmataceae são bactérias gram-negativas, que podem infectar as células sanguíneas tanto da série vermelha, quanto da série branca de mamíferos e aves. Os gêneros que atualmente constituem essa família são Ehrlichia, Anaplasma, Neorickettsia e Wolbachia.

Os cães são mais comumente acometidos por erliquiose monocítica canina (EMC), trombocitopenia cíclica e anaplasmose granulocítica canina, que são provocadas pelos respectivos agentes: Ehrlichia canis, Anaplasma platys e A. phagocitophilum. Na EMC, o micro-organismo infecta células mononucleares e linfócitos e a doença apresenta três fases: aguda, subclínica e crônica. Na fase aguda o animal demonstra sinais inespecíficos como anorexia, febre, linfadenopatia e, por meio do hemograma observa-se uma trombocitopenia; no período subclínico, tem-se poucas alterações laboratoriais hematológicas; entretanto, na fase crônica os exames evidenciam comprometimento medular, renal e hepático, em razão de alterações sanguíneas como: leucocitose, trombocitopenia, diminuição do número de precursores eritróides, hiperglobulinemia, hipoalbuminemia, proteinúria, azotemia e aumento de enzimas hepáticas como ALT, AST e GGT.

Percebe-se um menor diagnóstico de doença do carrapato em gatos, o que se pode inferir numa menor predisposição desses às hemoparasitoses, porém relata-se que os animais acometidos apresentam febre, anemia, descarga nasal, vômitos, epistaxe, hematúria, edema de membros, sinais pulmonares, alterações oculares e até cegueira.

O diagnóstico definitivo das hemoparasitoses é obtido por meio de análises de sangue periférico ou venoso; o hemograma associado ao esfregaço de sangue corado é bastante utilizado, por conta da fácil acessibilidade e do baixo custo. Existem também técnicas moleculares e imunológicas como o teste imunoenzimático de detecção de anticorpos específicos (ELISA) e a reação de imunofluorescência indireta (RIFI), entretanto elas são mais aplicadas no campo da pesquisa, principalmente devido ao alto custo.

O tratamento varia conforme o agente identificado e ressalta-se que o animal pode ser acometido, concomitantemente, por mais de um parasita. A terapêutica indicada contra as bactérias da família Anaplasmataceae compõe-se de antibióticos do grupo das tetraciclinas, já contra a babesiose, preconiza-se os derivados das diaminas e das carbanilidas.

Outras medicações podem ser incluídas de acordo com os sinais que o animal esteja apresentando. Além disso, a depender do grau de anemia, uma transfusão sanguínea pode ser necessária. É importante realizar a eliminação dos carrapatos tanto do animal, quanto do ambiente, pois essas doenças não induzem imunidade, o que gera infecções recorrentes. Portanto o tratamento isolado pode não ser suficiente.

Referências:

Breda JC et al. Hemoparasitoses em cães: análise de dados laboratoriais. Rev Acad Cienc Anim. v16:1-8p, 2018.

Rodrigues A, et al. Babesiose cerebral em bovinos: 20 casos. Ciência Rural, Santa Maria, v.35(1):121-125, 2005.

KIKUCHI ESC. Glomerulopatias secundárias à ehrlichiose monocítica canina crônica. 2015. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, 2015. Disponível em: <http://hdl.handle.net/11449/140260>.

PEREIRA, Douglas Alves. Prevalência de hemoparasitos em felinos domésticos da área urbana de Uberlândia, Minas Gerais, Brasil e correlação com variáveis epidemiológicas. 2018. 81 f. Dissertação (Mestrado em Imunologia e Parasitologia Aplicadas) - Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.14393/ufu.di.2018.866

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.