Armazenamento da Energia (Energia Eólica)

A utilização de turbinas eólicas para geração de energia é um meio bastante promissor. Estima-se que o potencial eólico mundial seja cerca de 10 vezes maior que o potencial hídrico.

Porém, a energia eólica tem um inconveniente: o regime dos ventos não é constante em nenhum lugar do planeta e costuma apresentar grandes variações de intensidade ao longo do ano.

Como o regime dos ventos depende do aquecimento das massas de ar sobre a terra e o movimento destas, os ventos variam conforme muda a intensidade desse aquecimento sofrendo mudanças sazonais.

Por isso, a energia retirada dos ventos pelas turbinas eólicas não é 100% confiável (em alguns períodos do ano venta muito, em outras quase não há ventos). Assim, é necessário utilizar mecanismos para armazenar, de forma indireta, a energia dos ventos, ou seja, a energia gerada na forma elétrica ou mecânica.

A energia eólica pode ser convertida em diversas outras formas de energia através de aerogeradores ou aeromotores que podem atuar em conjunto com outros sistemas. Essa diferenciação entre “aerogeradores” e “aeromotores” é feita pelo tipo de energia que será produzida, ou convertida, pela turbina eólica para uso final: se for gerada energia mecânica, dizemos que é um aeromotor, se for gerada energia elétrica, dizemos que é um aerogerador.

Assim, nas ocasiões em que a produção de energia pelas turbinas for maior que a demanda pode-se armazenar o excedente para usar quando a situação se inverter. Digamos que esta seja uma forma de não “desperdiçar” a energia produzida.

Este armazenamento da energia eólica convertida em energia mecânica ou elétrica pode ser feito pelos seguintes mecanismos: (elétricas) Bateria, Geração de H2, Calor, Motor-bomba, Motor-compressor, Motor-volante, (mecânicas), Bomba, Compressor, Calor e Volante.

Fontes
Fontes: NETO, P. A. B. Energia Eólica, UFLA/FAEPE, Lavras.
http://www.fem.unicamp.br
http://www.cresesb.cepel.br

Arquivado em: Eletricidade, Energia