O Homem do Bosque

Nesta trama cativante a violência como potencialidade humana pulsa em cada página. A qualquer momento o leitor sente que os personagens podem explodir e liberar essa energia destrutiva. Este livro é definido como uma das melhores produções literárias de 2010 pelo site da Amazon. Aqui o autor revela por que é considerado um dos mais importantes escritores do mundo contemporâneo.


Paul e Will. O primeiro cresceu na mais completa liberdade, mas o tempo todo norteado por padrões de comportamento intransigentes. Por algum tempo ele imaginou que jamais teria uma direção certa na vida, até encontrar Kate Ellis, uma mulher linda, brilhante e afetuosa, e a filha dela de nove anos, Ruby.

Ao lado delas o marceneiro conseguiu conquistar uma existência organizada e metódica, mas sobrevive da glória conquistada por Kate ao publicar uma autobiografia, na qual narra de que forma venceu o vício do álcool. Paul parece ocultar algo indefinível, talvez os demônios que estão sempre à espreita em seu interior, prontos para saltar e revelar quem realmente são.

Já Will Claff é um indivíduo estranho, paranóico, parece estar sempre sendo perseguido, e por está razão fica constantemente alerta a cada ser que atravessa seu caminho. É difícil saber se em algum momento ele realmente foi intimidado por alguém, apesar de realmente ter uma dívida de alto valor.

Paul leva uma vida aparentemente segura e cômoda até que seu caminho se cruza com o de Will. Ele deixa a sua casa, vai receber o pagamento de um cliente e então decide dar um passeio pelo bosque. Aí Will caminha com o cão que roubou da ex-namorada; ao ver o marceneiro, ele acredita que está diante de um cobrador e, de uma hora para outra, entra em crise e começa a bater violentamente no animal.

Perturbado com a cena, Paul pede que o homem pare de agir daquela forma, mas Will não o atende. De repente, por instantes, ele ingressa em um universo de agressividade, libera as pulsões destrutivas e parte para cima de Will. Os dois lutam ferozmente, mas somente Paul sobrevive. Ele pondera sobre o que fazer, mas decide não comunicar a polícia e parte, conduzindo consigo o animal da vítima, mesmo consciente do que esse gesto pode provocar.

O autor apresenta com precisão o vigor das emoções do ser humano; o dom de, simultaneamente, aniquilar e redimir. Para isso ele se vale do sarcasmo, do humor e de uma densa delicadeza e, com estes ingredientes, compõe uma narrativa psicológica eletrizante.

Scott Spencer nasceu em Washington, D.C, nos Estados Unidos. Ele é respeitado pelos críticos e visto como um dos maiores autores atuais. Duas de suas ficções ganharam versões cinematográficas, Endless Love e Waking the Dead. Ele é jornalista e seus textos estão em periódicos como Rolling Stone, The New Yorker e GQ. Este é o primeiro livro do autor a ser publicado no Brasil.

Fontes:
http://www.mixliterario.com/2013/10/resenhao-homem-do-bosque-scott-spencer.html
http://www.record.com.br/autor_sobre.asp?id_autor=1367

Arquivado em: Livros