Ultrassonografia em animais

Mestre em Ciência Animal (UFG, 2013)
Graduada em Medicina Veterinária (UFG, 2010)

A utilização da ultrassonografia (US) como método de diagnóstico, na medicina veterinária, reporta o ano de 1966 e hoje essa técnica é considerada uma ferramenta essencial para o clínico. Seu objetivo é o fornecimento de imagens anatômicas, a partir de ondas sonoras de alta frequência e seus ecos, que são projetadas em tempo real, na tela do monitor do aparelho, a partir de um transdutor que é colocado em contato direto com o tecido corpóreo. Existem variados tipos de transdutores, que possuem em seu interior um cristal piezoelétrico, cujo estímulo elétrico produz o efeito ultrassônico.

Foto: Ermolaev Alexander / Shutterstock.com

Dentre os benefícios dessa técnica de imagiologia ressalta-se a ausência da emissão de ondas radioativas, o que torna o procedimento seguro para tanto para o paciente, quanto para o profissional executor do procedimento. Aponta-se ainda como vantagens, a fácil reprodutibilidade, o baixo custo, a invasibilidade e o fácil acesso ao exame, em razão de ser ter no mercado vários modelos de aparelhos portáteis.

É perceptível a evolução tecnológica que a US obteve desde a sua descoberta; com isso pode-se utilizá-la nos mais diversos campos e em várias estruturas orgânicas como: cardíaca, torácica, abdominal, reprodutiva, ocular e músculo-esquelética. Ademais, sua contribuição extrapolou a área de diagnose, permitindo realizar avaliações prognósticas e também o acompanhamento de procedimentos clínico-cirúrgicos. Um exemplo desse último é a ultrassonografia intervencionista, que possibilita guiar em tempo real instrumentos perfurocortantes, como agulha e cateter até o alvo (tecido, órgão, tumor) e executar procedimentos como biópsia, drenagem e punção aspirativa por agulha fina, de uma forma mais segura e eficaz.

Em atendimentos emergenciais, o uso do US pode aumentar a chance de sobrevivência de animais acometidos por traumas, pois o médico veterinário intensivista tem acesso imediato à situação dos órgãos internos do paciente, podendo tomar decisões de forma rápida. Em relação aos traumas pélvicos, embora não seja possível a distinção entre sangue e urina, pode-se avaliar as alterações hemodinâmicas e corrigi-las imediatamente, o que contribui na redução da taxa de mortalidade.

O ultrassom também tem sido utilizado como um recurso terapêutico (UST) na aceleração do reparo tecidual, uma vez que as vibrações acústicas produzidas induzem modificações celulares, de ações anti-inflamatória, angiogênica e promotora da síntese de colágeno. Na fisioterapia veterinária, emprega-se muito essa técnica na reabilitação de condições musculoesqueléticas, como lesões ligamentares, tendinosas, nervosas, musculares e ósseas.

Na rotina da área de reprodução animal, a ultrassonografia proporcionou o aprimoramento do exame ginecológico, pois é capaz de demonstrar precocemente as alterações patológicas no útero e nos ovários das matrizes e também analisar a saúde do trato reprodutivo; com isso pode-se planejar o melhor momento para se fazer inseminações artificiais ou aspiração folicular para produção de embriões “in vitro”, o que eleva a eficiência e a receita da produção animal.

Na obstetrícia, o US é fundamental para o monitoramento dos fetos em geração. Por meio da técnica pode-se avaliar a viabilidade ou alguma anormalidade fetal, o funcionamento do coração, o perímetro cefálico e a data provável do parto, o que propicia ao criador organizar, previamente, as melhores condições para o recebimento dessa cria.

A avaliação não invasiva do coração pode ser feita por meio da ecocardiografia, um modo da US, que permite a investigação cardiológica. Ele é solicitado em situações que suspeita-se de doença cardíaca congênita, insuficiência cardíaca, na auscultação de sopros entre outros sinais. Aliado a isso, tem-se também o efeito Doppler, em que visualiza-se os padrões hemodinâmicos sanguíneos do coração e de vasos isolados, por meio da análise do som emitido. Com isso pode-se identificar a direção e as características do fluxo, o que permite diagnosticar bloqueios, desvios e dilatações dos vasos sanguíneos.

Percebe-se que a ultrassonografia é uma técnica com inúmeras possibilidades de uso, entretanto precisa-se de um mínimo de condições físicas específicas para realizá-la e um profissional com experiência na área, para que não haja interpretações errôneas das imagens captadas.

Referências

Rodrigues MKF et al. Uso do ecocardiograma na avaliação cardíaca de bovinos. Enciclopédia Biosfera. Goiânia, v.11(22); 2749p,2015.

Matheus JPC et al. Efeitos do ultra-som terapêutico nas propriedades mecânicas do músculo esquelético após contusão. Rev Bras Fisioter. 12(3):241-7. 2008.

Abud, SFA et al. Uso da ultra-sonografia em fêmeas suínas submetidas a acasalamento natural ou inseminação artificial. Nucleus Animalium, v.1(1):115-28. 2009.

AVISO LEGAL: As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.
Arquivado em: Medicina Veterinária