Síndromes psicomotoras

Graduanda em Psicologia (PUC-SP)

A psicomotricidade é a integração das funções motoras e psíquicas. Ela pode sofrer alterações em intensidade, número e velocidade. Esses casos compõem quadros multifatoriais denominados síndromes psicomotoras.

Síndromes de agitação psicomotora

Nesses casos, há aceleração na esfera motora e aumento da excitabilidade. Sintomas comumente associados são loquacidade (fala rápida e fluente)/logorreia (produção verbal veloz sem concatenações lógicas), insônia, irritabilidade, hostilidade e agressividade.

São quadros comuns nos serviços de emergência e apresentam considerável dificuldade diagnóstica. Seus subtipos são:

  • Agitação maníaca: no quadro, há intensa agitação psicomotora secundária a um quadro de taquipsiquismo. Ademais, o sujeito pode mostrar-se arrogante, agressivo e irritado.
  • Agitação paranoide: quadro no qual a agitação psicomotora é secundária a vivências paranoides como alucinações e ideias delirantes. Ademais, o sujeito pode mostrar-se assustado, tenso, hostil e agressivo.
  • Agitação catatônica: caracteriza-se por agitação impulsiva com momentos inesperados de explosões agressivas. Ademais, revela profunda alteração volitiva.
  • Agitação psico-orgânica (no delirium: nesse caso, além da agitação, há rebaixamento de consciência, desorientação temporoespacial, confusão de pensamento e perplexidade. Ocorre após trauma cranioencefálico ou em casos de intoxicações por drogas ou crises de abstinência.
  • Agitação nas demências: pode ocorrer em pacientes com demências. A mais comum delas é a doença de Alzheimer.
  • Agitação nos quadros de deficiência intelectual com transtornos mentais e de comportamento: é comum em sujeitos com deficiências intelectuais em situações sociais que apresentam complexidades.
  • Agitação explosiva associada a transtornos de personalidade: é comum em sujeitos com transtorno da personalidade borderline, histriônica ou antissocial. Geralmente ocorrem como forma de reagir a frustrações e comunicar seus desejos.
  • Agitação histriônica: trata-se de uma agitação teatral, demonstrativa e escandalosa. Assim, apresenta também sentido comunicativo.
  • Agitação ansiosa: ocorre em indivíduos em estados de intensa ansiedade ou depressão ansiosa. Assim, podem mostrar-se irritados, hostis e agressivos.

Síndromes de estupor e/ou catatonia

São quadros nos quais o sujeito apresenta involuntariamente imobilidade ou ausência de reatividade. Tais sintomas denotam grande alteração na esfera volitiva.

Segundo o Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais, a ausência de atividades motoras é denominada estupor. Este seria sintoma da catatonia, síndrome psicopatológica autônoma (GA4) que pode ocorrer em associação a outros transtornos mentais. Além dele, o quadro pode ser composto por recusa a se alimentar, mutismo, negativismo, flexibilidade cerácea, estereotipias, ecolalia e postura bizarra. Comumente há preservação do nível da consciência.

Seus subtipos são:

  • Estupor/catatonia depressiva: é um quadro secundário a um estado depressivo muito intenso, no qual pode também haver apresentação de expressão facial triste.
  • Estupor catatônico na esquizofrenia: no quadro, além do estupor involuntário, pode ocorrer oposição ativa às solicitações e eventuais repentes abruptos de agitação e explosão agressiva (furor catatônico)
  • Estupor/catatonia psicogênica (traumático, histérico ou de choque psicológico): são comumente quadros agudos e posteriores a traumas, no qual o paciente encontra-se em estado de choque emocional.
  • Estupor/catatonia orgânica: é decorrente de grande número de distúrbios neurológicos ou sistêmicos (metabólicos, eletrolíticos, endócrinos, neoplásticos ou inflamatórios) que afetam gravemente o cérebro do indivíduo.

Tratamento

As síndromes psicomotoras podem ser tratadas com acompanhamento neurológico, psiquiátrico e/ou psicológico, possivelmente associadas à medicação e a terapias complementares.

Referências bibliográficas:

Cid 10: http://www.datasus.gov.br/cid10/V2008/cid10.htm

DSM-V, bg pharma, and the medicalization of ordinary life. New-York: Harper Collins Publisher, 2013a.

RAFIA: 1. Dalgalarrondo, P Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. Porto Alegre, 2000. Editora Artes Médicas do Sul

Arquivado em: Psicologia