Capital de Giro

Contabilmente, o conceito de capital de giro é algo bastante controverso, pois existem muitas divergências nas definições aplicadas por diferentes autores, além de que, existem outros diversos conceitos que derivam ou se associam a este aumentando ainda mais a confusão acerca do tema.

Um estudo realizado em 2002 pelo Professor Ms. Nóbrega e registrado no CRC da Paraíba verificou o seguinte quadro: das 22 obras pesquisadas por ele 39% consideravam como capital de giro o valor total do ativo circulante; 33% alegavam que capital de giro era o mesmo que capital circulante líquido, ou seja, a diferença entre o valor total do ativo circulante e o valor total do passivo circulante; 11% das obras pesquisadas diziam que seria a soma do valor total do ativo circulante e do valor total do ativo realizável a longo prazo; e as demais, 17% das obras pesquisadas, apresentavam ainda outros conceitos para o termo.

Esta pesquisa apesar de pouco abrangente (como destacado pelo próprio autor) serve para ilustrar a problemática existente ao tentar se definir alguns conceitos muito difundidos no meio empresarial e resume bem a falta de consenso até mesmo entre os mais renomados autores (Eliseu Martins e Antônio Lopes de Sá aparentemente discordam da abordagem apresentada por Sérgio de Iudícibus, como é possível observar no trabalho do Prof. Ms. Nóbrega). Entretanto, apesar das divergências apresentadas, comumente adota-se como definição do termo “capital de giro” o resultado da soma dos ativos circulantes da empresa e como “capital circulante líquido” a diferença entre o valor total do ativo circulante e o valor total do passivo circulante.

Em uma abordagem mais abrangente podemos dizer que o capital de giro é a soma de todos os “... recursos demandados pela empresa para financiar o seu ciclo operacional” (Souza et. al, p. 2), ou seja, capital de giro são todos os recursos que a empresa irá precisar para financiar as suas atividades conforme sua necessidade desde o início de sua produção até o recebimento das vendas.

A gestão do capital de giro é algo bastante complexo e trabalhoso, mas que deve ser feita de forma constante pelo gestor sob risco de enfrentar dificuldades para manter a boa saúde financeira do empreendimento, pois a falta de controle sobre o capital de giro pode implicar na falta de recursos para dar manutenção às atividades da empresa. Para concluir, observamos que a administração do capital de giro deverá compreender uma avaliação do momento atual da empresa, a disponibilidade de recursos e, principalmente, o impacto de decisões sobre compras, vendas e à administração do caixa.

Fonte:

NÓBREGA, E. R. A Multiplicidade do Conceito de Capital de Giro e seus Derivados: teoria e prática. Disponível em: http://www.classecontabil.com.br/ trabalhos/capitalGiro.doc. Acesso em: 10/08/2010.

SOUZA, A. F. de; LUPORINI, C. E. de M.; SOUZA, M. S. de. Gestão do Capital de Giro. Disponível em: http://www.ead.fea.usp.br/cad-pesq/arquivos/C03-ART01.pdf. Acesso em: 10/08/2010.

O que é Capital de Giro e como Calculá-lo. Disponível em: http://becocomsaidasebrae. wordpress.com/2009/05/11/capital-de-giro-onde-encontrar/. Acesso em: 12/08/2010.