Departamentalização

Por Ivan Marx
As atividades de uma empresa geralmente estão divididas em departamentos, que, por sinal, é uma das formas de organização de uma firma de um modo mais eficiente e com melhores resultados para os objetivos da companhia.

A escolha de qual critério utilizar para efetivar a departamentalização em uma empresa, depende, geralmente, dos objetivos e da atuação da organização como um todo. A empresa tenderá a se organizar de acordo com a tecnologia utilizada, com a formação do pessoal contratado e principalmente da estratégia adotada pela organização.

Todavia, dentro de cada departamento a homogeneização só pode ser alcançada se a organização estiver bem estabelecida, isto é, se dentro de cada unidade todos os seus membros estiverem trabalhando em conjunto a um fim comum, tendo a mesma clientela, executando o mesmo trabalho e estarem no mesmo lugar.

Para Gulick e Urwick, “organização por processo dominante, como engenharia, ensino, direito ou medicina, tende a reunir num único departamento todos os que trabalham utilizando-se de uma técnica ou habilitação especial, ou então que sejam elementos integrantes de uma determinada profissão”. De fato, a departamentalização varia de empresa para empresa. Depende do tamanho e da complexidade no qual tal companhia executa sua atividade, pois as ações de uma firma são divididas em departamentos quando esta possui setores onde as atividades relacionadas são constantes e rotineiras. Quando uma firma executa certo trabalho de forma fragmentada ou em um espaço de tempo médio ou grande, não há a necessidade de gerar um departamento para atender uma demanda baixa ou escassa. Este processo só tem a razão de existir em uma empresa com grande fluxo de setor.

Contudo, a departamentalização não possui apenas a eficiência da organização de uma empresa, ela possui uma desvantagem a qual nenhuma companhia pode fugir. Como cada departamento é responsável por sua ação e todos daquele setor trabalham atrelados a uma visão comum e a um resultado satisfatório, o contanto de uma unidade com outra, isto é, a cooperação de um departamento com outro tende a se tornar limitada, justamente por causa do grau de concentração que cada departamento necessita obter para garantir um trabalho de qualidade.

Para evitar problemas na hora de departamentalizar é sugerido a uma organização, os seguintes critérios, segundo Oliveira:

  1. O departamento que faz maior uso da atividade, deve tê-lo sob jurisdição;
  2. O departamento que obtiver maior interesse pela atividade, deve criar mecanismos d supervisão;
  3. As atividades devem ser controladas por um setor de controle; e finalmente
  4. A concorrência entre os departamentos devem ser eliminadas.

A representação dos departamentos em uma instituição geralmente é feita utilizando organogramas.

BIBLIOGRAFIA

OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Sistemas, organizações e métodos: uma abordagem gerencial. 13ª edição. São Paulo: Ed. Atlas, 2002.

GULICK, Luther. Evolução dos Pensamentos Administrativos. São Paulo: 1976.