Matriz BCG

Por Camila Faria
A Matriz BCG ou Matriz de Crescimento/ Participação, como também é conhecida, é um método criado pelo Boston Consulting Group (BCG) na década de 70 que demonstra o posicionamento de determinado cliente ou produto em relação ao mercado em que está inserido e de suas perspectivas futuras de crescimento nesse mercado.

Baseado na teoria de ciclo de vida dos produtos, o método consiste basicamente no cruzamento do índice de market share relativo (participação de mercado) e do índice de crescimento esperado com o objetivo de se identificar as características e determinar as prioridades de cada produto na formação do portfólio da empresa. Entretanto, apesar de a Matriz BCG ser bastante utilizada para o auxílio no planejamento do portfólio de produtos ou clientes (no caso de prestadora de serviços), ela pode ainda ser aplicada em diversas outras análises, visto que possibilita uma visão clara do fluxo de recursos da empresa demonstrando os pontos geradores e os pontos consumidores destes recursos.

A esquematização da Matriz BCG é bastante simples e consiste na divisão dos produtos em quatro quadrantes (semelhante ao aplicado na análise SWOT) que representam as combinações possíveis do índice de market share e de crescimento esperado, sendo cada quadrante nomeado de forma simbólica (e por que não dizer ‘cômica’) como: estrela, vaca leiteira, interrogação e cachorro ou abacaxi, como preferem alguns autores.

Os produtos classificados como vaca leiteira são os que possuem um alto market share em um mercado já estabilizado, sem grandes perspectivas de crescimento. Assim, eles tendem a necessitar de pouco investimentos e a gerar um retorno de caixa bastante alto devido ao fato de possuírem uma grande participação em um mercado já desenvolvido, sendo, portanto, considerados como uma fonte de recursos para a empresa. Em posição oposta as vacas leiteiras no quadrante, estão os pontos de interrogação.

Os pontos de interrogação são os produtos que apresentam baixo market share em um mercado em plena expansão, gerando grande necessidade de investimentos para aumentar a sua participação no mercado, porém, apresentando um retorno muito baixo para empresa. Já os itens classificados como estrela são os que possuem alto índice de market share em um mercado em plena expansão, necessitando de altos investimentos para manter e melhorar a sua participação, mas ao mesmo tempo gerando o mesmo nível de retorno para a empresa. Por fim, temos os cachorros que são os produtos que apresentam baixa participação de mercado em um mercado que não apresenta nenhuma perspectiva de crescimento futuro, mas que, apesar da má situação, necessitam de pouco investimento para manter sua posição não afetando de forma alguma o fluxo de recursos da organização, pois geram a quantidade de caixa necessária para se manter.

Para finalizar este artigo, destacamos ainda que a aplicação da Matriz BCG pode ser usada para visualizar as possíveis mudanças no mercado e os efeitos que as mudanças estratégicas promovidas pela empresa terão sobre os produtos, uma vez que a sua aplicação sugere a existência de um ciclo de vida onde os pontos de interrogação deverão ser desenvolvidos para tornarem-se estrelas e estas, posteriormente, em vacas leiteiras.

Fonte:
AZEVEDO, M. Coelho de; COSTA, H. Gomes. Métodos para avaliação da postura estratégica. Disponível em:http://www.ead.fea.usp.br/cad-pesq/arquivos/v08-2art01.pdf>. Acesso em: 10 set 2010.

BRANDME. Gestão de portfólio de produtos e serviços. Disponível em: <http://www.brandme.com.br/portfolio-de-produtos/>. Acesso em: 11 set 2010.

The BCG matrix product portfólio method. Disponível em: <http://www.valuebasedman agement.net/methods_bcgmatrix.html>. Acesso em: 10 set 2010.