Fox Paulistinha

O Fox Paulistinha, oficialmente conhecido como Terrier Brasileiro, possui origem desconhecida, mas acredita-se que tenha sido originário do cruzamento do Fox Terrier de Pêlo Liso, com Jack Russel, e acasalados com cães brasileiros. No começo do século XX, filhos de fazendeiros que iam estudar na Europa, normalmente voltavam casados e suas esposas traziam cães do tipo Terrier de pequeno porte, que eram deixados nas fazendas e, conseqüentemente, acabam cruzando com cães brasileiros.

No ano de 1920, esses cães já apresentavam as características que possuem hoje. No ano de 1960 foi criado o Terrier Clube do Brasil, objetivando difundir e aprimorar a raça, sendo que a primeira tentativa de reconhecimento aconteceu em 1964. Como o número de registros foi muito baixo, o processo foi cancelado. O reconhecimento provisório foi aceito em 1995 e o definitivo apenas em 2006. Esse processo foi feito pela FCI (Federação Cinológica Internacional), que possui sede na Bélgica.

Padrão Racial

Os animais dessa raça são esbeltos, de constituição harmoniosa e estrutura robusta, sem serem muito grosseiros. Para os machos, a altura varia entre 35 a 40 cm, e, para as fêmeas, de 33 a 37 cm. Atingem peso máximo de 10 kg.

Seu pêlo é curto, liso, fino sem ser macio, bem assentado à pele. O pêlo é mais fino nas orelhas, cabeça, na parte inferior do pescoço, na face interna dos membros e posterior das coxas. A cor de fundo predominante é a branca, apresentando marcações pretas, azuis ou marrons. Existem algumas marcações que sempre devem estar presentes: castanho acima dos olhos, nos dois lados do focinho e na face interna e bordas das orelhas; a cabeça sempre deve apresentar marcações em preto, azul ou marrom na região frontal e orelhas; faixas brancas são preferíveis no sulco frontal e nas laterais do focinho, distribuídas da maneira mais harmoniosa possível.

A cabeça possui formato triangular, apresentando-se mais larga na base, com orelhas bem afastadas, estreitando-se dos olhos até a ponta da trufa. De perfil, a linha superior é levemente ascendente da ponta da trufa até o “stop”. O crânio é arredondado, apresentando testa ligeiramente plana, possui sulco sagital bem desenvolvido e a distância do canto externo do olho até a inserção da orelha é igual à distância entre os cantos externos de ambos os olhos. O “stop” é pronunciado; a trufa é relativamente desenvolvida; o focinho é forte e cinzelado abaixo dos olhos, com declive na base do focinho; os lábios são secos e firmes; as bochechas são magras e bem desenvolvidas; os olhos são de formato arredondado, bem separados, moderadamente proeminentes, grandes e com sobrancelhas levemente acentuadas, de coloração escura, sendo que a variedade azul possui olhos cinza azulados e a variedade marrom apresenta olhos marrons, verdes ou azuis. As orelhas inserem-se lateralmente, na linha dos olhos, bem separadas uma da outra, de formato triangular, terminando em ponta, portadas semi-eretas.

O pescoço possui comprimento moderado, é liso e seco, implantado harmoniosamente à cabeça e ao tronco. O corpo é de aparência quadrada com linhas curvas bem definidas. O antepeito é pouco pronunciado, relativamente largo; o peito é longo e profundo, apresentando costelas bem arqueadas; a cernelha é bem pronunciada e ligada de modo harmonioso aos membros anteriores; o dorso é curto e musculoso; o lombo também é curto e firme; a garupa é levemente inclinada. A cauda é de inserção baixa, curta e geralmente é cortada (caudectomia) na junção ente a segunda e terceira vértebras caudais. Quando presente, não chega à altura dos jarretes, vigorosa, portada alegremente, sem curvar-se sobre o dorso.

Os membros anteriores, quando vistos de frente, são retos, moderadamente afastados, mas alinhado com os posteriores; os ombros são largos e angulados entre 110 e 120°; os braços são aproximadamente do mesmo comprimento que a escápula; os cotovelos quando juntos ao corpo encontram-se no mesmo nível da linha inferior do peito. Os membros posteriores também são retos e afastados, fortes, apresentando pernas proporcionais à coxa; os jarretes são altos com angulação obtusa. As patas são compactas, sendo as traseiras mais longas do que as dianteiras.

Faltas

  • Falhas na estrutura;
  • Defeitos de aprumo;
  • Pelagem longa ou atípica;
  • Falhas nas marcas características;
  • Orelhas portadas eretas;
  • Ombros muito pesados ou frágeis;
  • Agressividade ou timidez;
  • Garupa sem leve inclinação;
  • Prognatismo;
  • Falta de harmonia;
  • Criptorquidismo ou monorquidismo.

Temperamento

Muito inteligentes e de fácil adestramento, são muito ágeis e cheios de energia. Ótima companhia para crianças por seu comportamento brincalhão, sempre alertas, forte e leal. Com os donos são mansos, mas costumam estranhar desconhecidos.

São ótimos cães de companhia, alarme e caça. Possuem um bom relacionamento com outros cães.

Fontes:
http://fox-p.vilabol.uol.com.br/
http://www.foxpaulistinha.com.br/
http://www.saudeanimal.com.br/foxp.htm
http://cao-feliz.blogspot.com/2010/08/fox-paulistinha-guia-de-racas.html

Arquivado em: Cães