Dadaísmo

Mestre em Artes Visuais (UDESC, 2010)
Graduada em Licenciatura em Desenho e Plástica (UFSM, 2008)

Dada termo em francês que significa “cavalinho de pau” ou “brinquedo de criança”. Esse foi o nome escolhido aleatoriamente pelos criadores do movimento ao folhear um dicionário. Esse termo marca a falta de sentido que pode ter a linguagem assim como a fala de um bebê, salientando o caráter antirracional e de causalidade desse movimento de vanguarda europeia. O acaso e o nonsense - que quer dizer sem sentido - foram fundamentais nos conceitos dadaístas. Além disso, o movimento mostrou-se radicalmente avesso a Primeira Guerra Mundial, ao nacionalismo e ao materialismo que desencadeou o combate, bem como os conceitos de arte vigentes na época.

O Dadaísmo, também conhecido como Movimento Dadá nasce após o início da Primeira Guerra Mundial em 1916 em Zurique e tem como seus principais expoentes Tristan Tzara, Marcel Duchamp, Hans (ou Jean) Arp, Julius Evola, Francis Picabia, Kurt Schwitters, Max Ernst e Man Ray.

Esses integrantes e outros propunham uma arte de protesto que chocasse e provocasse a sociedade burguesa da época. Suas obras visuais e literárias baseavam-se no acaso, no caos, na desordem e em objetos e elementos de pouco valor, desconstruindo conceitos da arte tradicional.

Kurt Schwitters compôs telas fazendo colagens aleatórias de recortes e papeis que encontrava no cotidiano, como bilhetes de trem, fotografias, selos e embrulhos. Assim o artista expressava a intensão de criar um método de fazer arte que não lembrasse os métodos artísticos tradicionais.

Duchamp com seus ready-mades utilizou objetos industrializados e do cotidiano, assinando-os como se fossem de sua autoria, não os trabalhava artisticamente, os considerava prontos assim como os encontrava e exibia como obra de arte. Dessa maneira, objetos sem valor artístico aparente alcançam a condição de obra de arte ao serem retirados de seu contexto e expostos num espaço expositivo como um museu ou galeria. Foi assim que Duchamp criou Roda de Bicicleta, de 1913, uma roda de bicicleta encaixada num banco. Seu mais famoso ready-made, o Urinol, foi assinado pelo artista como “R Mutt”. Assim como Kurt Schwitters, Duchamp também expressou sua rejeição e renúncia aos tradicionais meios de se fazer arte da época, forçando o público apreciador a refletir sobre essas questões.

Na literatura o Dadaismo também ganhou grande expressão. Um dos principais expoentes e fundadores do movimento, Tristan Tzara deu uma espécie de receita para criar um poema dadaísta:

Pegue um jornal
Pegue a tesoura.
Escolha no jornal um artigo do tamanho que você deseja dar a seu poema.
Recorte o artigo.
Recorte em seguida com atenção algumas palavras que formam esse artigo e meta-as num saco.
Agite suavemente.
Tire em seguida cada pedaço um após o outro.
Copie conscienciosamente na ordem em que elas são tiradas do saco.
O poema se parecerá com você.
E ei-lo um escritor infinitamente original e de uma sensibilidade graciosa, ainda que incompreendido do público.

O Dadaísmo abriu portas na década de 1920 para outros movimentos como o Surrealismo.

Referências:
Dadaísmo. Disponível em: < http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo3651/dadaismo >.

LITTLE, Stephen. ...ismos: para entender a arte. Brasil, Ed. Globo, 2011.