Malabarismo

Por Ana Paula de Araújo
O malabarismo pode ser definido como a arte de manipular objetos com agilidade e precisão. Estes objetos são itens que o artista usa para fazer o malabarismo, o qual pode ser feito com bolas, clavas, argolas, tochas, facas, serras, caixas, etc.

A arte do malabarismo está presente nos espetáculos de entretenimento das pessoas há milhares de anos, passando pelos espetáculos de rua, palcos de teatros, picadeiros de circos, até chegar hoje a virar uma competição. Os malabaristas impressionam o público pela sua capacidade de manipulação dos objetos, variando as dificuldades: com maior número de objetos, com objetos cortantes ou flamejantes, com uma mão só, equilibrados em uma corda bamba ou em um monociclo, etc. O termo não é utilizado somente para objetos lançados ao ar, mas também a outras artes praticadas com diferentes objetos como girar pratos, equilibrar objetos em bastões, ou manusear bastões chineses.

Quanto maior é a criatividade do malabarista e a dificuldade de manusear os malabares, maior é a apreciação por parte do público. No caso das competições, ganha o malabarista que apresentar maior habilidade na arte. Um misto de desafio, equilíbrio e arte.

Para um iniciante na arte do malabarismo, é importante que sejam usados objetos inofensivos, a melhor dica são as bolas de malabarismo. Começa-se, portanto, com o malabarismo de lançamento, onde a pessoa começará a adquirir suas primeiras habilidades como o equilíbrio e o manuseio de três ou mais objetos lançados ao ar.

O lançamento de apenas dois objetos com as duas mãos ainda não é considerado malabarismo, somente a partir do terceiro objeto trata-se do malabarismo em si, o qual pode utilizar uma técnica denominada “truque shower” ou o truque da cascata.

O malabarismo de lançamento, do qual estamos falando, é na verdade somente um dos tipos de malabarismo, e ainda assim, por trás dele há complexas teorias matemáticas que calculam a rota dos objetos para explicar a arte de jogar vários objetos ao ar e não deixá-los cair. Este estudo envolve não somente a matemática mas também a física, pois lida com termos como rapidez, velocidade, aceleração, ar, resistência, gravidade, etc.

Além disso para calcular a tragetória de um objeto observa-se a sua massa, seu formato, o material com que é feito, etc. O malabarista precisa, portanto, saber o centro de gravidade do objeto, a força que deve utilizar ao lançá-lo, a melhor forma de fazer o lançamento, entre outras informações.

Logicamente, é possível fazer malabarismo intuitivamente, pois com o treinamento contínuo, todas estas informações serão calculadas automaticamente pelo cérebro, que indicará para as mãos exatamente a forma que elas devem lançar o objeto. Muitas pessoas já nascem com maior habilidade para os malabares do que outras, isto não vai depender do conhecimento de física que a pessoa possui, mas caso ela consiga compreender estes termos físicos certamente irá desenvolver suas habilidades com maior rapidez e precisão.

Fontes:
http://pessoas.hsw.uol.com.br/malabarismo.htm