Bertrand Russel

Bertrand Russel nasceu em Ravenscroft Monmouthshire, na Inglaterra, a 18 de Maio de 1872.

Com dois anos de idade perdeu seus pais, sendo então criado por sua avó, que lhe transmitiu os mais sábios e preciosos valores morais e religiosos, os quais o guiou a vida toda.

Quando completou 18 anos de idade ingressou no Trinity College, em Cambridge, onde se dedicou ao estudo da matemática e da filosofia.

Em 1897 concluiu seu doutorado defendendo uma tese denominada “Na Essay on the Foundations of Geometry”

O ano de 1900 foi considerado, por este, o mais extraordinário de sua vida de letrado, teve a oportunidade de participar de um Congresso Internacional em Paris, na área da Filosofia, onde teve contato com as idéias de Giuseppe Peano, matemático italiano que em muito contribuiu para o avanço desta importante ciência. Na ocasião o tema abordado dizia respeito a lógica simbólica.

Foi uma oportunidade única em sua vida e que em muito contribuiu para a publicação de seu livro intitulado “Principles of Mathematics” , no ano de 1903, no qual sustentou a idéia de que as definições matemáticas se sustentam baseadas apenas em algumas premissas consideradas verdadeiras sem haver a necessidade de demonstração, bastando somente trilhar o caminho do raciocínio e entender quais operações são válidas.

Bertrand Russel só veio a ser conhecido mundialmente em 1910, quando, em parceria com Alfred North Whitehead, – famoso filósofo e matemático britânico – publicou o livro “Principia Mathematica”, cujo conteúdo gerou três volumes.

Envolveu-se na política por um breve período; Com a explosão da Primeira Guerra Mundial, porém, Russel não conseguiu ficar indiferente, deu início a uma agitação pacifista, levando em conta suas certezas, suas firmes opiniões.

Em 1918 acabou preso devido a seus ideais políticos, ficou encarcerado por 6 meses, período que aproveitou para escrever “Na Introduction to Mathematical Philosophy”, o qual só foi lançado em no ano de 1919.

Em 1920, após o fim da guerra, decidiu passar um tempo na União Soviética, sendo então convidado a peregrinar pelo Extremo Oriente ministrando várias palestras na Universidasde de Pequim.

Durante a década de 30 editou mais de vinte e quatro livros e cerca de duzentos ou mais artigos em jornais, podendo-se citar o “The ABC of Atoms” e o “The ABC of Relativity entre outros.

Durante o tempo que passou na Inglaterra foi designado professor do Trinity College, em Cambridge e, após a Segunda Guerra Mundial transformou-se em porta-voz da uma Companhia voltada para o Desarmamento Nuclear, inclusive já tendo atuado em muitas empreitadas pela paz. Seu papel alcançou um nível tão surpreendente na divulgação pela paz que, no ano de 1963, estabeleceu-se a Fundação Bertrand Russel pela paz

Entre os anos de 1967 e 1969 tornou público e notório os três volumes que escreveu intitulado “Autobiografia”, um grande sucesso mundial.

Bertrand Russel foi um dos mais influentes filósofos e matemáticos que o século XX já teve. Durante toda a sua vida sentiu simpatia pelo anarquismo - doutrina que prega o banimento de toda autoridade, a mudança da soberania do Estado pelo contato livre – apesar de ter defendido o esboço de um Estado Mundial para dar fim as guerras entre as nações.

Numa obra publicada quando ainda era jovem, intitulada "Principles of Social Reconstruction" (1916), ele confirma que o Estado e a propriedade são as duas maiores forças ou influências no mundo moderno.

O Estado teria também, segundo ele, um papel de extrema responsabilidade a desempenhar para com a educação, obrigatória para a sociedade, oferecer uma saúde descente ao povo e uma administração baseada na justiça econômica.

Russell morreu em 2 de fevereiro de 1970 em Wales, sendo hoje respeitado como uma alusão que não se pode contornar no século XX devido aos grandes aportes à Lógica e à Matemática e principalmente pela sua contribuição social.

Arquivado em: Biografias