Goethe

Por Ana Lucia Santana
O escritor, romancista, dramaturgo e filósofo alemão Johann Wolfgang Von Goethe nasceu em Frankfurt, no dia 28 de agosto de 1749. Versátil, ele atuou também na esfera da Ciência. No cenário alemão ele adquiriu supremo destaque, figurando entre as personagens mais ilustres da literatura alemã em fins do século XVIII e princípio do século XIX. Ao lado do filósofo e poeta Friedrich Schiller ele liderou a corrente do romantismo alemão conhecida como Sturm und Drang.

Goethe. Pintura de Joseph Karl Stieler, 1828.

Goethe. Pintura de Joseph Karl Stieler, 1828.

Primogênito de Johann Kaspar Goethe, um advogado de prestígio, cultor de elevada cultura e apaixonado pelas artes, Conselheiro da Corte de Frederico II, teve uma educação primorosa, a princípio administrada pelo próprio pai, depois completada por tutores particulares. Goethe ingressou na Universidade de Leipzig em 1765, no curso de Direito. Aí ele também cultiva profunda simpatia pelo desenho e pela pintura. Nesta época o futuro escritor se dedica também aos prazeres da boemia.

Com a saúde enfraquecida, Goethe volta para sua terra natal com o objetivo de resgatar suas forças. Com mais tempo disponível, ele se devota a leituras e também a práticas alquímicas e astrológicas. Já curado, é enviado pela família para Strasbourg, na Alsácia, para concluir a faculdade de Direito. Graduado, ele exerce por um curto período esta profissão, enveredando em 1770 pelo campo da literatura, quando conhece o movimento Sturm und Drang, o qual viria a liderar. Nesta mesma época ele trava amizade com o filósofo e escritor alemão Johann Gottfried Herder.

Exercendo o Direito na cidade de Wetzlar, centro da corte de Justiça Imperial, ele conhece Charlotte Buff, por quem se apaixona perdidamente, apesar de sua musa ser noiva de um colega. Esta paixão quase o conduz ao suicídio, evento que posteriormente seria o mote inspirador do romance Os Sofrimentos do Jovem Werther, de 1774. Goethe tem expressiva participação em dois movimentos literários fundamentais, o Romantismo e o Expressionismo.

No ano de 1775 ele parte para Weimar, a convite de Carlos Augusto, recém-empossado no governo de Saxe-Weimar-Eiisenach. Em breve o povo local denuncia uma suposta má influência do escritor sobre o príncipe, que imediatamente nomeia Goethe como ministro de seu governo, o qual assume algumas tarefas administrativas. Em 1780 ele passa a integrar o Illuminati ou Maçonaria Iluminada, sociedade secreta que, na época, influenciava parte da elite européia. Seis anos depois ele segue viagem por toda a Itália, país no qual produz o drama Torquato Tasso, a peça Ifigênia em Taúrides e os célebres poemas que ele compilaria no livro Elegias Romanas. Ao retornar ele conhece a Senhora Schopenhauer, genitora do filósofo Arthur Schopenhauer.

Um de seus contatos mais importantes se dá com Friedrich von Schiller, seu companheiro de residência em Weimar. O intercâmbio de ambos marca um dos momentos mais importantes da literatura alemã. O poeta estimula vivamente Goethe a concluir aquele que se tornaria seu clássico, Fausto. A primeira parte é lançada em 1806; a segunda é publicada postumamente, em 1833.

Ele contrai matrimônio com Christiane Volpius, em 1806, mas ela morre dez anos depois. Outra morte o abala muito, a de seu grande amigo Schiller, morto em 1805. No mesmo ano em que ele se casa, Weimar é tomada pelos franceses; dois anos depois o escritor é condecorado por Napoleão com a cruz da Legião da Honra. A Revolução Francesa o pega de surpresa, e contribui para que Goethe decida publicar a segunda parte de seu clássico apenas depois de sua morte, pois acredita que sua obra será legada ao esquecimento.

Goethe morre na cidade de Weimar, no dia 22 de março de 1832, com 82 anos. Ao morrer, profere uma famosa frase: "deixem entrar a luz".