Zaratustra

Mestrado em História (UFJF, 2013)
Graduação em História (UFJF, 2010)

Zaratustra foi um profeta persa que fundou uma religião seguida pelos Aquemênidas.

Proveniente da família Spitama de uma pequena vila de casas na Ásia Central, Zaratustra chamou a atenção desde que nasceu. Diz a lenda que o sacerdote local ficou incomodado com o recém nascido promissor e forçou seu pai a fazer um teste com ele. Zaratustra foi colocado na fogueira, porém nada sofreu. Confuso, o sacerdote providenciou outros desafios, aos quais Zaratustra saiu ileso de todos. Após seguidas vitórias do recém nascido, o sacerdote mudou-se do local em função da vergonha que lhe abateu.

Zaratustra cresceu e sempre se perguntava sobre a origem dos céus, das estrelas e das pessoas. Um dia, ele teria visto uma especial luz de um ser que viera lhe buscar para um local onde outros sete seres especiais também viviam. Depois de conviver com eles, Zaratustra voltou para casa e foi mais perseguido ainda pelos sacerdotes. Foi então que decidiu fugir de sua vila natal. Fora de lá, Zaratustra encantou outras pessoas com sua honestidade e com milagres. Na sua vida adulta, contudo, as narrativas lendárias dizem que ele viveu quase sempre isolado em montanhas ou cavernas e sem comer nada de origem animal. Regressou a seu povo após sete anos de grande solidão.

Aos 30 anos de idade iniciou uma missão que era converter seu povo à sua religião. Porém, ninguém o entendia. Mais uma vez, foi perseguido e hostilizado por sacerdotes até realizar milagres entre seu povo, já com 40 anos de idade. Daí por diante, conquistou a confiança do rei e seguidores. Criava-se, então, uma legião de adeptos na sua vila natal, mas ele sempre teria seus inimigos e seria assassinado muitos anos mais tarde.

A religião professada por Zaratustra está expressa nos Gathas, que são cinco hinos que formam a parte mais antiga do livro do Masdeísmo, datando do final do segundo milênio antes de Cristo. O Zoroastrismo é uma das mais antigas e uma das mais duradouras religiões do mundo. Baseia-se no princípio monoteísta que orientou o judaísmo, o cristianismo e o islamismo. Com a ascensão do Islã e a dominação territorial desta religião, o Zoroastrismo passou a ser uma crença professada por uma minoria que, perseguida, refugiou-se no noroeste da Índia. Dificilmente o Zoroastrismo aceita convertidos, por isso o contingente de adeptos da religião hoje gira em torno de cerca de 120 mil pessoas apenas.

A base da religião criada por Zaratustra é a dualidade bem e mal. São cultuados sete ideais que são personificados por sete espíritos imortais sagrados. Esses deuses enfrentam tudo que faz menção às forças do mal. A religião não requer templos, pois Deus é cultuado através do fogo que é mantido aceso nos altares onde se faz as oferendas. Seus dogmas relatam sobre a vinda do Messias, a ressureição dos mortos, o julgamento final, a imortalidade da alma e seu julgamento e a levada dos bons para o paraíso eterno.

Assim, Zaratustra fundou uma nova religião e foi o grande profeta da Pérsia durante o século VII antes de Cristo. O Zoroastrismo, também chamado de Masdeísmo, foi adotado oficialmente pelos Aquemênidas. A religião apresentava-se com a missão de erradicar o politeísmo, o sacrifício de animais e a magia.

Fonte:
http://www.zoroastrianism.cc/portuguese/zaratustra_biografia.html

Arquivado em: Biografias