Dogma Central da Biologia

Por Fabiana Santos Gonçalves
O DNA é o constituinte fundamental dos cromossomos. Sua estrutura anatômica leva a informação química que permite a exata transmissão da informação genética de uma célula para suas células filhas e assim sucessivamente, assim como também especifica as sequências de aminoácidos das cadeias polipeptídicas das proteínas.

O formato do DNA é uma dupla hélice, formato helicoidal como uma escada em espiral, girando para a direita, no qual suas duas cadeias de nucleotídeos correm em sentidos opostos, unidas por pontes de hidrogênio entre os pares de bases. A base nitrogenada adenina sempre está pareada com a timina, e a citosina com a guanina. Sabendo a sequência de nucleotídeos de uma cadeia, automaticamente sabemos a sequência da outra cadeia. Quando o DNA vai se replicar, os dois filamentos da cadeia se separam e dois novos filamentos complementares à cadeia molde serão formados. Se houver necessidade, a complementaridade permite um eficiente reparo das moléculas danificadas de DNA.

Um gene corresponde a uma região particular de uma molécula de DNA que pode abranger desde algumas dezenas de pares de nucleotídeos ou até muitas centenas. Cada gene codifica a produção de uma molécula específica de RNA, em um processo chamado transcrição gênica.

A tradução corresponde ao processo de produção de uma proteína: a partir de um molde de mRNA, uma sequência de aminoácidos são produzidos e ligam-se através de ligações peptídicas, formando os polipeptídeos. Neste processo participam, entre outros fatores, um ribossomo, um mRNA, vários tRNA, aminoácidos e diversas enzimas. As proteínas são substâncias essenciais da estrutura das células vivas, além de atuar como enzimas, participando de todos os processos bioquímicos dentro e fora das células.

A estrutura do RNA é similar à do DNA, exceto pelo fato do DNA possuir uma base nitrogenada Timina, enquanto o RNA possui a base nitrogenada Uracila. Há uma diferença também quanto ao açúcar: o do DNA é uma desoxirribose, enquanto do RNA é uma ribose. Outra diferença entre as duas moléculas é que a do DNA é dupla e está em formato de dupla hélice; a do RNA é uma cadeia unifilamentar.

A correlação entre DNA, RNA e proteínas está intimamente ligada: O DNA, além de sua capacidade de autoduplicação, também é capaz de originar uma fita de RNA, que, por sua vez, possui o código para a síntese de aminoácidos para formar a cadeia polipeptídica.

A esse fluxo de informações damos o nome de Dogma Central da Biologia.

Bibliografia:
Fundamentos da Genética / D. Peter Snustad, Michael J. Simmons
Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.
Biologia Molecular do Gene / James D. Watson … [et al.]
Porto Alegre: Artmed, 2006
Biologia / José Mariano Amabis, Gilberto Rodrigues Martho
São Paulo: Moderna, 2004