Caatinga

A Caatinga ocupa cerca de 844.453 Km² de extensão e é o único bioma com distribuição exclusivamente brasileira. Estende-se por todo estado do Ceará e mais de metade da Bahia, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Rio Grande do Norte; quase metade de Alagoas e Sergipe, além de pequenas porções em Minas Gerais e no Maranhão. O nome Caatinga significa mata branca em tupi-guarani, fazendo uma referência à vegetação desse bioma no período de seca, que perde suas folhas e fica com aspecto esbranquiçado.

Serra da Capivara, parque nacional localizado nas áreas de Caatinga. Foto: ANDRE DIB / Shutterstock.com

Serra da Capivara, parque nacional localizado nas áreas de Caatinga. Foto: ANDRE DIB / Shutterstock.com

O clima da Caatinga é semiárido, caracterizado por altas temperaturas, com médias anuais entre 25o C e 30o C. O sistema de chuvas é complexo. Durante poucos meses caem chuvas irregulares e alguns anos são mais chuvosos alternados irregularmente com anos de secas. Além disso, serras e chapadas mais altas da Caatinga recebem maior quantidade de chuvas, que escoam dando origem aos rios e lagos da região, muitas vezes temporários. As áreas de planície estão sujeitas a um período de seca longo e severo.

Os solos desse bioma possuem alta variabilidade, com maior ou menor capacidade de reter as chuvas. A quantidade de nutrientes é influenciada pelas mesmas características que influenciam a retenção de água. Os solos mais argilosos retêm mais água e nutrientes, já os de textura mais arenosa tem pouca capacidade de retenção. Fragmentos de rochas são frequentes na superfície, resultando em um solo com aspecto pedregoso.

De forma geral, os solos são ricos em minerais, garantindo a fertilidade nesse ambiente. Por isso quando chove as regiões secas se transformam rapidamente e dão lugar a gramíneas e árvores cobertas por folhas. A decomposição de matéria orgânica no solo da Caatinga é prejudicada pelo intenso calor e luminosidade.

Os rios São Francisco e Parnaíba são fundamentais para a vida desse bioma. Eles nascem em outros lugares, mas cruzam a Caatinga por terrenos quentes e secos. Os rios que nascem na Caatinga permanecem secos por longos períodos, mas no período chuvoso esses rios saem das bordas das chapadas, percorrem extensas depressões e chegam ao mar ou desaguam no São Francisco e no Parnaíba.

Apesar das condições severas, é possível encontrar uma diversidade de ambientes na Caatinga. A flora é uma resposta à variação na disponibilidade de água e nutrientes, formando um mosaico de diferentes tipos de vegetação adaptada ao tipo de solo e a disponibilidade de água. A fauna é bastante diversificada, sendo representada por muitas espécies de mamíferos, aves, répteis, anfíbios e peixes, dentre outros.

Apesar da sua importância, esse bioma tem sido desmatado de forma acelerada. Quase toda vegetação das áreas mais úmidas foi substituída por pasto e plantações. O gado está presente em quase toda parte e consome plântulas, folhas e ramos de arbustos mais baixos. A extração de mata nativa para produção de lenha e carvão de forma ilegal também representa uma ameaça.

Leia também:

Referências
Leal, I. R., M. Tabarelli, e J. M. C. Silva. 2003. Ecologia e conservação da Caatinga. Editora Universitária da UFPR, Brasil.
http://www.sobiologia.com.br/conteudos/bio_ecologia/ecologia13.php

Arquivado em: Biomas