Samba-enredo

Por Ana Lucia Santana
O samba-enredo é uma ramificação do samba, gênero musical cultuado nos tempos modernos, criado no Rio de Janeiro no decorrer dos anos 30, composto particularmente para o desfile carnavalesco de uma escola de samba.

Inicialmente a música que embalava os Carnavais promovidos pelas escolas era aquela mais executada nas quadras, portanto denominada samba de quadra. Neste período, a composição mais cultuada é Meu Barracão de Zinco, gravada pelo compositor Jamelão.

As criações de Cartola e Carlos Cachaça pontuaram com sucesso esta época. O samba Homenagem, de Carlos, foi um dos pioneiros na inclusão de figuras que marcaram a história brasileira. Curiosamente, estas gravações só apresentavam ao público a primeira parte, deixando que a outra fosse elaborada de improviso no momento do desfile.

Há muita polêmica em relação ao primeiro samba-enredo, mas geralmente considera-se que a composição da Unidos da Tijuca, de 1933, é a primeira deste sub-gênero. Mas perdurou, até 1947, o hábito já antigo de cantar, ao longo do desfile, duas ou três músicas que nada tinham a ver com o enredo da escola. A partir de 1946, não foi mais permitida a antiga improvisação da segunda parte do samba.

Deste momento em diante, o samba-enredo tornou-se compulsório, uma vez que até então ele ainda era apenas uma alternativa. Não seguir estes padrões levava a escola a obter uma classificação inferior; foi o que ocorreu com a Prazer da Serrinha, que até adotou um samba-enredo nos ensaios, a composição Conferência de São Francisco, mas na hora da sua apresentação ela optou por um samba de terreiro, ocupando assim uma péssima posição no momento da classificação. Este evento levou ao nascimento de uma cisão, a Império Serrano.

O samba-enredo é escolhido, todos os anos, através de uma seleção interna, na qual diversas composições são exibidas aos integrantes e simpatizantes da escola nas quadras. Entre setembro e outubro, uma das músicas é eleita oficialmente para representá-la na avenida no próximo ano.

Um dos procedimentos mais comuns é a fusão de um ou mais sambas, os mais populares entre os adeptos da escola. Ele precisa preencher alguns requisitos, entre eles representar o enredo - narrativa das ações interligadas, executadas nas avenidas -, que não é sinônimo de tema.

Este componente das escolas de samba é um dos requisitos mais importantes e decisivos na hora do julgamento. A própria evolução delas se prende ao ritmo do samba-enredo, que pode ser mais tranquilo ou mais acelerado, dependendo da opção de seus integrantes. Geralmente as que possuem um maior número de membros escolhe uma composição mais agitada, pois assim é possível esvaziar mais rapidamente a avenida e preservar a harmonia do todo.